🔍Leia o artigo completo Raul Gustavo García Roig: “NASCA el sueño creador”

Raul Gustavo García Roig: “NASCA el sueño creador”

0 comentários 🕔09:00, 22.Out 2017

Ate o vindeiro día 31 de outubro (2017) estará colgada, na Casa Museo Casares Quiroga da Coruña, esta exposición fotográfica que rende homenaxe María Reiche, xeógrafa e matemática alemá que adicou toda a súa vida a descubrir, valorizar, conservar e desentrañar os segredos dos ciclópeos deseños, misteriosos tamén, das liñas de Nasca-Perú. Roig coñeceuna sobre o terreo en 1976. Gustavo García Roig carga sobre o seu lombo unha gran saca de experiencia que foi medrando dende

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Outubro do 17″, por Diego Q. S.

“Outubro do 17″, por Diego Q. S.

1 comentário 🕔12:09, 20.Out 2017

"Outubro do 17" é um poema de Diego Q. S.

LEIA MAIS
Play video Jaime Pena: “Sobre o cinema”

Video Jaime Pena: “Sobre o cinema”

0 comentários 🕔11:35, 18.Out 2017

Entrevista de Estela Pan a Jaime Pena, programador do Centro Galego de Artes da Imaxe (A Coruña) e licenciado en História da Arte. É membro do comité de redação de Cahiers du Cinéma-Espanha e colaborador regular de El Amante (Argentina).

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Aprendendo a conviver com os mortos

Aprendendo a conviver com os mortos

0 comentários 🕔09:51, 16.Out 2017

“... A terra chama alguém pro chão. Mas eu não, eu não. Ainda não sei morrer. Ainda não sei não”. Viviane Mosé Foi uma noite intensa aquela. O ano era 2006, eu fazia parte do movimento estudantil e, por convicções caducas, participei da ocupação do prédio da reitoria. Depois de muito empurra-empurra, assembleias sem fim e descoberta de um P2 no quórum, não dormi bem. Pela manhã, fui até janela pra ver se avistava alguém e fazer uma prosa de

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Tara Skurtu: “Um poema de resistência”

Tara Skurtu: “Um poema de resistência”

0 comentários 🕔11:35, 13.Out 2017

        Um poema de resistência Além do vidro, um ensanguentado rolo de gaze desvela poesia tecida com arames vertida do cabo de uma vassoura. Sozinho numa cela, um homem talvez infligisse o Código Morse na sua coxa, alimentando uma possível hipótese a outros homens daquele bloco. Caminho na direcção da lúgubre cela de luliu Maniu´s no chão, uma amassada malga de alumínio e uma colher, um balde, um copo. Uma cama sem colchão, e um uniforme listrado em dobra no pé. Numa cela ali está agora A

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo A noite de Irene (5/5)

A noite de Irene (5/5)

0 comentários 🕔11:00, 11.Out 2017

V Noite Nos dias seguintes levou-se adiante o processo rápido da hibernação. Era necessário despertá-la num tempo não superior a uma semana, mas isto nunca chegou a suceder. Contrariamente a muitos outros casos, a reanimação não foi possível. Eva sofreu uma estranha comoção. O seu projeto tinha fracassado. A sua eficácia aparecia agora como um paradoxo. Não conseguia esquecer as palavras de Irene: não sabes quem és. Recorda. Para que fazes o que fazes? Eva experimentou por primeira vez

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Ler teatro

New Ler teatro

0 comentários 🕔10:45, 09.Out 2017

Ler teatro ten, entre a maioría dos lectores, mesmo sexan estes compulsivos, mala fama. É verdade que o teatro se escribe para ser representado, mais tamén é verdade que non todas as obras teatrais que se escriben, se publican, se representan. E se temos en conta todas as obras teatrais do pasado, que espectador pode afirmar que tivo a sorte de ver representados todos os tráxicos gregos, todas as obras de Shakespeare, de Molière, de

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista ao músico e autor teatral Gonçalo Guerreiro: «A arte está para revelar a vida»

Entrevista ao músico e autor teatral Gonçalo Guerreiro: «A arte está para revelar a vida»

0 comentários 🕔10:10, 06.Out 2017

- Palavra Comum: O que é para ti a música? E o teatro? - Gonçalo Guerreiro: Ambos fazem parte desta necessidade que tenho de representar e reinventar a vida. Ao fazê-lo sinto que lhe dou um sentido mais honesto. O teatro permite-me integrar a realidade social, compreender melhor os seres humanos, exaltar as suas paixões e eventualmente denunciar situações que me incomodam. Com a música tenho uma relação mais íntima. A música canaliza as minhas emoções

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo A noite de Irene (4/5)

A noite de Irene (4/5)

0 comentários 🕔12:08, 04.Out 2017

IV Hibernação Irene estava preparada para passar á fase de hibernação induzida. Era uma fase breve, mas perigosa, pois significava adentrar-se na morte por um período curto, apenas uns dias, com o fim de proceder, por um lado, á cópia de toda a memória contida no cérebro e nas diferentes células e, por outro lado, proceder ás modificações génicas necessárias para a nova vida. Eva acompanhava-a com condescendência e amabilidade e Irene, em nenhum momento parecia incomodada pela

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Telebullying”, por Rui Tinoco

New “Telebullying”, por Rui Tinoco

0 comentários 🕔10:12, 02.Out 2017

A palavra para uma nova violência: novas tecnologias, novos gestos dos homens. Ou então nem tanto: a inveja, o egoísmo, a sede de poder e de riqueza. Hoje, referir-nos-emos principalmente a esta última. Mas primeiro, um breve exercício etimológico: tele, do grego, que remete para a ideia de longe, de distância; e bullying, violência continuada que parte do presente para o presente imediato, que escorre do agora, como o present continuous inglês parece explicar. O muito velho,

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Crecho”, de Nando Pereiro & poema de Ramiro Torres

“Crecho”, de Nando Pereiro & poema de Ramiro Torres

0 comentários 🕔11:35, 29.Set 2017

CRECHO Arquitectura do sonho elevada ao olho incendiário que aguarda na manhã mais nua do existente, pertences ao inebriante que se alça do invisível até o centro inexausto onde irrompe o oceano convertido neste pulso do universo na face solar.

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo A noite de Irene (3/5)

A noite de Irene (3/5)

0 comentários 🕔10:50, 27.Set 2017

III (Interstício) Porque haveria um tempo para semear e recolher e um tempo para a união e um tempo para a separação Porque haveria um tempo para que o uno se desdobre E um tempo para que o duplo se reúna E haveria um tempo para além do tempo Um tempo para calar as palavras E um tempo para os gemidos E um tempo para os latidos E um tempo para a respiração Porque haveria um tempo para dizer as palavras, para a mais antiga franqueza que surge

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Conversas ficticias con Walter Benjamin (sobre fotografía). Parte 1ª

Conversas ficticias con Walter Benjamin (sobre fotografía). Parte 1ª

0 comentários 🕔10:00, 25.Set 2017

-O xornal Berliner Illustrate Zeitung que ten de transcendente? A súa condición de documento na que estriba a súa forza e lexitimación, fai ver as cousas rodeadas da aura de actualidade. -Que supón no campo literario/artístico a crítica? Criticar é unha arte social. O lector desfruta coa fermosa mala costume de unirse a outro sen ser invitado. -O pioneiro en fotografía Moholy-Nagy ten falado deste ámbito artístico. Que destacas das súas reflexións? Moholy-Nagy tiña razón cando dicía o seguinte: “Os

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista ao escritor português André Domingues: “Não há literatura sem nudez”

Entrevista ao escritor português André Domingues: “Não há literatura sem nudez”

0 comentários 🕔09:00, 22.Set 2017

- Palavra Comum: Que é para ti a literatura? - André Domingues: A literatura, para mim, sempre foi um espaço de nudez; não absoluta, claro, mas inegociável. Não há literatura sem nudez. A nudez dos corpos, a nudez da vida, tantas vezes acalentada por uma tristeza lenta e delicada, mas também a nudez da alegria, a nudez dos mundos impensáveis, e a tremenda nudez do presente, do tempo em que vivemos, essa nudez terrível como Blake

LEIA MAIS