Lupa, moura, meiga: minha amiga

0 comentários 🕔00:21, 01.Jan 2014

O ovo inicial era Lupária, a terra das lobas,
na selvagem ternura com fanais rotos
e o monte bravio das aguadeiras
que chegavam desde o vale do Pico Sacro
com cheiro a manancial.
Lupária, a terra das saudades antigas,
receptora espermática do logos,
a terra dos relevos torna sol,
a geografia da estirpe longa,
da nossa estirpe de adúlteras,
de mulheres livres,
da nossa estirpe que sempre gorentou
as cerejas primeiras,
da nossa estirpe que paria varões
e desejava filhas por simples afã de viver;
da nossa raça de esperantes vivas;
a nossa raça de heranças femíneas
e olhos verdes com poder de seiva,
de olhos bravios com brilho de faca doce;
nós as filhas da forneira,
a cozer o pão de milho nas manhãs de inverno,
a sobreviver sem fome nos lábios feitos carne
e verso velho;
as raparigas das neveiras em Meixãofrio
a sentir arder o lume nas entranhas
dos dedos gelados;
as filhas místicas dos desejos,
a santa, Teresa, a santa;
as longas sombras de Ramona,
a que voltou sem homem e com filhos,
a linha de luz de Cármen, a dos santos,
os beijos de Antónia, generosos de carne,
o longo percurso de Dolores.
Nós, as parideiras, as mães de mundo longo,
as filhas para o mundo,
as galaicas,
as descendentes da rainha,
da grande Lupa,
a decifradora dos sonhos,
a senhora dos astros.

O lume sabe de retornosContam que houve um tempo no que as terras foram massa única, até que o mundo explodiu mais uma vez e nasceu o Pico Sacro. Apareceram continentes nas duas beiras daquele faro: Gondwana ao Sul, Laurásia ao Norte. As pedras removeram-se e saíram à luz profundidades, com elas, o espírito das mouras.
Do monte Ilicino, sombra das fragas sagradas, ao Libredom, e do Libredom ao Pindo espalharam-se as forças da Terra e das Idades, aguardaram o nascer dos rios e dos carvalhos para procurar olhares e criar palavras.
Desde o pé deste Ilicino, que chamamos Pico Sacro, vejo cada tarde a bela Lupa, a donzela encantadora, a mãe destes vales, a rainha velha, passar na sua rua, cultivar a horta, pentear os cabelos.
Em tardes de inverno, visito-a e fico presa de um íris gelado. A sua voz tem séculos de água a fluir desde o coração do mundo. Conta, sem tempo, do nascer dos rios, dos fentos, dos carvalhos, das libelinhas, das cobras e da gente. A sua voz diz escamas de sete cores e dela abrocha fonte de contar.

Já a montanha arqueou pátria sobre o mar.
Aqui deixam as gaitas eco aberto,
intercala um universo sons de fada
e ficam silêncios por criar.
É idade de plenilúnio, de geadas,
noite em lar.
O lume sabe de retornos.
Voltou a cinza a dispersar
lembrança longa
e o achádego procura cultivar
rostos e palavras,
perdido este naufrágio no borralho,
descoberta esta arca no sentir.
Prometem os presságios revoltas com flor de cerejeira,
no tempo verde do carvalho,
olhar de paz e luz no coração.
O lenho que hoje arde será terra
da semente plena
em sonhos por lavrar.

A velha Lupa verque tempo no círculo e as estórias podem ser.

chamavam-nameigaFiava quando levava as pedras na cabeça e deixava a tarefa para chanta-las. Assim construiu um castro, e marcou com o dedo maiminho desenhos nas peças sobrantes. Encantou cada pena e ficou a viver na menor delas, perto do rio Sar. Morava na pedra-moura, na rocha encantada. Ali guardou a roca de fiar e com ela o tesouro do seu amor. Era velha como sou eu neste tempo, por isso podia tender um arco e baixar por ele as pedras do céu, mas quando entrou na pedra moura, foi para aguardar. Deixou invernos passar, sentiu o tempo do calor na sua fibra de pedra, partilhou consigo mesma os diálogos da memória e saiu quando um rapaz sentou no seu penedo. Espelhava a água empoçada a figura gentil do homem e a jovem mostrou-se engalanada para namorá-lo. Os loiros cabelos que a adornavam tinham sido fiados com ouro puro e o brilho da pele da moura refletia a cor das luas transcorridas. O rapaz, deslumbrado, não podia acreditar. A moura perguntou “Queres o meu tesouro?” ele não podia querer senão o seu encanto e assim disse. Ganhou vida eterna e amor ditoso na mesma rocha da que ela tinha aflorado. O lugar onde ficaram resguardados não é longe daqui, ganhou o nome de A Rocha, na exaltação da pedra-moura que ali continua.

O silêncio criou-se em Lupa como uma licença do sentir. Depois retomou genealogia de irmãs.

Percorria a lavandeira velhos caminhos de sonhos:
cantava e branqueava os dias no sol-pôr do rio novo,
enquanto o sangue esvaia linhas de luz sobre a água
e os espíritos diziam no reflexo das palavras
cristais de frio com penas no oco longo das mãos brancas.
De morte lavava prendas a lavandeira entre as canas,
então as armas batiam e os silêncios batalhavam.
Os braços tornavam lua um leve entornar de asa
e desciam encarnados em ave líquidos olhos,
revoltados sobre a idade os ninhos azuis do corvo.
Eu queria retomar-nos sobre o tempo em luz de alvas,
lamber uma terra virgem no bico de Morrigana
pentear-me ao pé do poço
espelhar-me então no povo
e sublevar-me em cantigas de lavandeira encantada.

percorriavelhosChamam-na meiga: a mestra, a sanadora. É temida, porque é mulher e sabe, mas é uma de nós, as que sabemos. Se oculta no lavadouro da nascente do Pontilhão, perto da tua casa. Encontraram-na há poucas noites umas raparigas que voltavam a casa depois da festa. Não esperavam ver ninguém ali àquelas horas. Saudaram. A lavandeira retribuiu e aproveitou o encontro para pedir ajuda às meninhas que se achegaram solícitas à que julgaram vizinha. Ela tendeu a roupa para que lhe ajudassem a torcer e foi então que as moças, assustadas, viram o vermelho que tingia a água e a prenda, rápida, uma delas, que tinha escutado os contos ao pé da cozinha velha, destorceu e percorreu caminho. A companheira que não virou o sentido que a meiga lhe tinha dado ficou encantada na forma de um salgueiro, para ser no tempo minha irmã. Correu a amiga no caminho dos seus saloucos e contou o que tinha acontecido, ainda fico estranhada que não tenhas assistido aos lamentos, mas se calhar o meu agora é longo de mais para o teu tempo. Chorou a aldeia inteira ao pé do corpo da rapariga que apareceu no regato, enquanto o vento acarinhava os ramos do salgueirinho novo.

Ficou o ar denso e a memória do escutado na casa da avó a dançar com este eco.

Abrolham mananciais das mãos da deusa.
Os segredos do éter pairam no espírito
com voz de silêncios milenários.
E pousa um papo-ruivo no ramo despojado do pessegueiro novo,
o mistério encarnado neste frio de inverno,
no estatismo de um pulo retorna o universo,
entorna-nos céu.
A percepção vertical revela
o equilíbrio do tecto a inexistir.
Que não caia sobre nós o firmamento,
Que desçam as alturas de uma aura
e chova horizontal numa montanha,
por sermos cosmos partilhado
a expandir.

sorriucomlabiosSorriu com lábios novos a velha Lupa. Sabia que era encanto para mim o seu contar. Passou a mão no cabelo que semelhou de ouro no último sol do inverno e mais uma vez falou:

Foi no encontro do rio Sar com o Sarela onde um labrego parou. A jornada tinha sido longa e a sede não perdoava, ajoelhou—se, fez copo com as mãos e bebeu. No momento de erguer-se viu uma peça que brilhava entre as ervas, procurou e viu que se tratava de um fermosíssimo pente, forjado com o ouro que a Terra entrega, nunca com o roubado que amaldiçoa a quem rompe a paz da Mãe em violação. O homem voltou a casa feliz com o achado. Contemplou até bem entrada a noite, sem poder engolir comida até que o sono chegou. De súpeto, uns golpes o acordaram. Batiam na porta uma e outra vez. Abriu. Ninguém. No dia, o labrego pensava feliz no seu pente e contemplava, nas noites sonhava com ele até o brusco acordar que se repetia. Uma voz acompanhou na novena noite aos golpes na porta: “Devolve-me o meu pente se quiseres descansar”. O homem compreendeu. De manhã deixou o pente onde o tinha encontrado e viu como o apanhava no bico uma galinha de ouro seguida de sete pintainhos, para entregar-lho à xana que sorria desde as águas.

São muitas as nossas formas, os nossos sentires, a cobra, a chuchona, a marinha, a assumcorda, a marimanta, a dona, a feiticeira, a agoireira, a dama do castro… As nossas histórias pairam nos caminhos, ficam nas antas, erguem nevoeiro nas montanhas, por enquanto estas três a criar mundo.

PARA PROCURAR:
– http://www.masalladelaciencia.es/reportajes/lugares-encantados/78-lugares-de-leyenda-pico-sacro-la-montana-magica-de-galicia
– http://andrepenagranha.wordpress.com/
– http://omundodaslendas.blogspot.com.es/
– http://anuariobrigantino.betanzos.net/Ab2002PDF/2002%20039_062%20Marcial.pdf
– http://www.blogoteca.com/archetenrreiro/index.php?cod=100136 (Palestra de Branca Garcia Fernández-Albàlat
– http://www.galiciaencantada.com
– http://books.google.es/books/about/Etnograf%C3%ADa_y_folklore_de_Galicia.html?hl=es&id=5_vZAAAAMAAJ
– http://www.rios-galegos.com/lendas.htm
– http://www.boqueixon.es/downloads/biblioteca/cova.do.pico.pdf
– http://www.culturagalega.org/noticia.php?id=19457
– MARIÑO FERRO, X.R., La brujería en Galicia, Ed, Nigratea, Vigo, 2006
– PABLOS, Francisco, Centón de leyendas y mitos de Galicia, Ed. Nigratea, Vigo, 2002
– GARCIA PORRAL, X.C., Lendas castrexas. Antropoloxía da tradicion oral no concello de Lalín, Ed. Lóstrego, Santiago de Compostela, 2010
– ALBERRO, M., Paradigmas de la cultura y la mitología célticas. Ilustrados con sagas, Ed. Piedras Angulares, Gijón, 2010
– BALBOA SALGADO, A., A Galicia celta, Ed. Lóstrego, Santiago de Compostela, 2007
– CARRÉ ALVARELLOS, L., Las leyendas tradicionales gallegas, Ed. Espasa-Calpe, Colección Austral, Madrid, 1977

Sobre o autor / a autora

Iolanda R. Aldrei

Iolanda R. Aldrei

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *