Semâ

Semâ

0 comentários 🕔18:08, 15.Jan 2014

O tempo sufi da entrega molda a dança do círculo. Dervixes no Semâ universal procuramos o céu para ancorar na terra, giramos na humildade do nós, vozes da Luz .

Na´t-i serîf

As vozes do vento,
e das aves, e da água.

A harmonia dos céus na ordem que precede ao caos,
no caos que precede à ordem.
O resplendor da areia,
o frescor do carvalho e a oliveira,
do baobab e a cerejeira.

O ritmo do lume dançante,
o odor da praia na noitinha,
a noite fria do deserto,
a montanha alta,
o rio.

Cantarei o verbo, fluir do coração,
no lábio de quem tem lábio,
nos olhos de quem olhou.

Cantarei a fonte do saber,
a alma universal,
a pele do cosmos,
o dom dos que não têm dom.

Cantarei as mãos, as poutas,
a raiz, a sem-raíz,
a esplêndida navegação da alga,
a asa cantarei.

Cantarei o mesmo canto da esfera,
o eco planetário da molécula,
a luz dos que têm luz,
a noite de quem sonhou.

Do ruído e a paz chega.
Entre a brêtema abre o dia.
Entre a morte a vida aprende.
Da rocha nasce o manancial.

Tudo canta
a geração universal da existência
na ladainha das estrelas,
as vozes do vento
e das aves e da água.
À criadora do canto,
tudo canta.

terraverde2b

O Som

A rocha mede a água,
o ar cobre
os espaços do pranto
e o sorriso.

A pedra é nave de esperas
e luz do sol-pôr.

Desde o resplendor da tardinha,
as ondas são céu
e, na noite, as estrelas vão brilhar.

Dos longos caminhos,
tempos que serão,
na a ordem deste caos.

terraverde2c

Taksim de ney

Esta é a noitinha.

Sobre as montanhas o céu é vermelho.

Aguardo a nave que não se achega,
o tempo que não passou
quando o silêncio é espera
e a aurora, um pôr de sol.

Aguardo a mão dos sonhos,
a que nunca mais sonhou,
braços cruzados no peito,
ar de a fé
em fé de cor.

terraverde2d

Devri veledi

Cada anjo chega numa onda.
Os mares dos quatro pontos cardinais
e o tempo saúdam ao sem tempo,
o espaço ao sem espaço,
a unidade à companhia.

A água é água,
o lume é lume,
o ar é ar,
a terra é terra.
Para entornar ladainhas nasce a vida.

Saúdo a linha do silêncio,
a frustração da reta,
o abismo do leito,
a fé prendida no som múltiplo.
Saúdo o tempo das saudades,
o labirinto das perdas mais sentidas,
a curva no caminho,
o nome errante,
o destino errado sem destino.
Saúdo a queda das palavras
e o sonho azul na fé prendida,
o círculo que volta
e recomeço a múltipla onda,
a alma múltipla.

terraverde2e

Semâ

Tiro a vestimenta e peço permissão.
Nasço na tomba dos desejos,
nasço na mortalha dos desejos,
e entrego a túnica por ser.
Beijo a mão que se oferece,
ah meu Seyh Efendi,
permite a liberação,
permite a unidade
do possível:
a ascensão!

O ritmo é lento e volta sempre
ao início num círculo exterior,
o som dos ecos repele palavras
como vidas.
Na solidão acho companhia,
integro o ser que me integra,
respiro o ar que me respira,
achego o abraço que me achega.
Os passos giram.
A árvore da vida começou.

terraverde2f

Primeiro selâm

Abro os braços,
alço a luz
e nasço.
Ergo a mão ao alto,
desço a outra palma,
o equilíbrio é o ponto de inflexão,
a verdade, o ritmo desta rota
e giro;
retorno à descoberta
e reconheço a força.
Sou criatura
entre os ventos e este rito.
Sou a tua criatura,
molda-me na dança,
insufla em mim a vida dos espíritos,
a vida pura da verdade.
Leva-me na conjunção do devir,
no fado,
nas linhas tortas que escreves,
na paz que me entregas,
à que me entrego.

terraverde2g

Segundo selâm

Reflete-se no brilho,
no som da aurora,
na bétula doce,
na ternura desta pele
o dom da criação,
o esplendor do criado.
Giro e oro, oro e giro,
moldo a rocha em silêncio
e saudade de luz,
ante o poder sereno da criação,
ante a força e o amor.
Haja paz na paz dos tempos.

O gozo é contemplar,
saudar o bem eterno.

terraverde2h

Terceiro selâm

Fenafillah

Submeto-me a sentir
e sinto.
Os afetos deixam redes
que sustentam,
o amor e a dita.

Abandonar,
entregar submissão ao amor,
única submissão ao Ser.

Entrego o espírito,
entrego o corpo,
entrego a mente que pensou
no Fenafillah.

terraverde2i

Quarto selêm

Alma tranquila, volta ditosa à tua senhora,
entra junto aos meus servidores,
entra no meu paraíso.
É breve todo gozo,
perdura a memória
e sou feliz em instantes reiterados.
Volto a ti, plena de gozo,
volto a mim.
Abre-se a terra,
deixa o meu tempo resplendor,
a paz é o meu saúdo
unida ao Seyh Efendi
e ao meu Basi,
sou semâzen.

O anjo da aurora me acompanhou,
o livro conforta a sede que desceu,
tenho os profetas da noite na pele do mundo,
o verso longo a acariciar.
Voltarei.
Sou o teu espelho.
O espírito da luz.

terraverde2l

Leitura

Oscila o sentido entre dois pontos cardinais.
De Leste a Oeste acharei a fé,
porque é imensa, omnisapiente
e sabe ser.
Trás a noite escuta a intensa luz.
Não ceguei e sigo o meu caminho
no estatismo pleno do verão.
Se a sombra é longa,
é longo o mar.

terraverde2m

Oração

Recito a cada alma antes de acordar,
aos espíritos dos anjos e as fadas,
aos donos da palavra que chegou do ar,
ah, mártires que somos cada dia!
O meu cabelo ainda cheira a mar,
as nove ondas me arrastaram,
as nove ondas me livraram,
em nove ondas nove mortes,
nove vezes afoguei,
rebelei meu espírito
ao lume sem ar.
Sobre a areia recomeçam sonhos
e lágrimas de sal,
fora o tempo do chá de canela,
o tempo de iniciar,
a ânsia única
de mãos nas mãos,
irmãs.

terraverde2n

Sobre o autor / a autora

Iolanda R. Aldrei

Iolanda R. Aldrei

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *