Eduardo Metzner: jornalista, poeta e revolucionário

Eduardo Metzner: jornalista, poeta e revolucionário

0 comentários 🕔11:00, 29.Jan 2014

Eduardo Henrique de Lima Metzner nasceu em Lisboa em 1889 e aí faleceu (tuberculoso) em 1922, após vida difícil e conturbada. Da sua infância e juventude pouco se sabe, a não ser que terá sido educado na Casa Pia, instituição criada em Lisboa, em 1780, por Pina Manique, intendente-geral da Polícia, no reinado de D. Maria I. Essa instituição (que ainda hoje existe, ligada sobretudo ao ensino técnico-profissional) visava a educação dos órfãos e a recuperação, através do trabalho, dos mendigos e dos vadios.

Boémio e noctívago – às vezes porque não tinha dinheiro para pagar um quarto em que dormir –, Eduardo Metzner manifestou desde cedo, segundo pode ler-se na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira,“tendências revolucionárias, impregnadas de um azedume letal”. Na nota biobibliográfica aí publicada, lê-se ainda: “Dispersou o seu belo talento por várias redacções que o aproveitaram ingloriamente, e expandia-se numa boémia mórbida que o fazia mergulhar cada vez mais no pessimismo. Minava-o a tuberculose que ele cuidava, passando, dias e dias, mal alimentado e com repetidas goladas de conhaque. Ainda assim ia enchendo colunas e colunas de prosa revolucionária e compondo versos, em que se notava a chama do seu talento. O último jornal em que trabalhou foi n’A Pátria”.

É justamente em A Pátria que, no dia 21 de Fevereiro de 1922 (dia seguinte à morte do poeta), num esclarecedor e comovente artigo se dá notícia daquele que viria a ser o seu livro póstumo Diamantes Negros. Aí se lê: “Eduardo Metzner vinha escrevendo uma colecção de sonetos que revestiam uma nova expressão do seu sentimento estético, alguns dos quais duma grande beleza clássica, que lhe marcariam o definitivo lugar entre os nossos poetas. Pensava publicá-los em livro. Não viu, o pobre cantor vencido, realizada essa aspiração da sua alma”. Um desses sonetos era o seguinte:

O Cristo Vermelho

Na antiga catedral de rendas bizantinas,
entre o fumo do incenso a subir, calmo e lento,
chagas em rosa cruz, rubro de turmalinas,
vejo um Cristo vermelho e de olhar truculento.

Evolam-se orações. Lá fora, geme o vento
um responso. No véu fechado de neblinas
vaga a tristeza negra, imensa do tormento
que aflige o mundo todo em convulsões leoninas.

E o Cristo, contemplando a multidão de rojo
a seus pés, a rezar, cheio de tédio e nojo
clamou em voz vibrante, incisiva, estentórea:

Como Lázaro, o vil leproso de Betânia,
Povo, surge e caminha! Sai da tua insânia!
Acorda, vai cumprir teus destinos na História!

O livro surgirá finalmente em 1925, saído da gráfica da Empresa Editora e de Publicidade “A Peninsular”, Limitada (Rua da Vitória, 55 – Lisboa). Foi publicado com um artigo-prefácio de Bourbon e Meneses, intitulado “Uma figura estranha e dolorosa”. Datado de Fevereiro de 1922 e escrito por altura do internamento do poeta no Hospital de S. José, a breves dias da sua morte, mais que uma introdução à vida e obra de Eduardo Metzner, esse texto parece ser, sobretudo, um cruel e despropositado ajuste de contas com um moribundo.

O facto de Eduardo Metzner ter sido monárquico e comunista (foi tradutor de Trotsky e pertenceu aos primeiros órgãos dirigentes do Partido Comunista Português) talvez não seja alheio ao azedume com que foi tratado pelo jornalista Bourbon e Meneses, que o acusa, entre outras coisas, de ter atacado os republicanos “em alexandrinos flamejantes”, redigido “apologias da restauração” e ter feito “jornais monárquicos”.

Diamantes Negros, como pode ler-se no Diário da Tarde (11/12/1925, p. 5), teve uma edição “muito restrita”. É hoje um livro raríssimo. Só há poucos anos é que a Biblioteca Nacional conseguiu um exemplar (por doação particular).

Para além de Diamantes Negros e daquilo que ficou disperso por publicações periódicas, Eduardo Metzner (que usou também o nome literário de Edo Metzner) é autor de:

Camões morto de fome: ao sr. dr. Teófilo Braga a propósito da santificação do aniversário da morte do cantor das glórias nacionais, s/d.; Os deportados! … crime de lesa-humanidade!, s/d.; No agonizar da monarquia: fragmento d’uma sátira ao último dinasta de Bragança, 1901; 2.ª ed., 1906; Seditiosa Verba (Aos académicos revolucionários), s/d. (1907?); A República é uma mentira politica: resposta ao opúsculo de Bernardino Machado “Só a República é a verdade”, 1908; Panfletos revolucionários – I – Acusação. A propósito dos últimos acontecimentos políticos, 1912; Falperra de gorro frígio, 1912; Os Bárbaros do Norte, 1915; Técnica de poesia: arte poética, s/d. (1918?); A verdade acerca da revolução russa: notas e impressões, factos e documentos, 1919.

 

Sobre o autor / a autora

António José Queiroz

António José Queiroz

(Portugal)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *