Fado

Fado

0 comentários 🕔10:30, 05.Fev 2014
Um corpo.
A impossível eternidade de um corpo,
névoa matinal sedenta de sol,
navalha afiada sem destino.
Um corpo.
Coração embriagado de sangue e de desejo,
olhar perdido nas margens desoladas
do futuro.
Um corpo.
Deus efémero de silêncio e solidão,
pássaro cego a voar
rumo à poeira obscura do tempo.

Sobre o autor / a autora

António José Queiroz

António José Queiroz

(Portugal)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *