A noite dos raposos azuis

A noite dos raposos azuis

1 comentário 🕔09:30, 26.Fev 2014

Escurecera. Eram horas de fechar a casa e o cativo não tinha chegado ainda.

Os vizinhos tinham vontade de ajudar, mas não era tempo de ajudar.

Todas as pessoas queriam saber, mas não era tempo de saber.

Faltava desde a manhã e era noite. Voo de coruja, olhos de raposo, faca de lua, rajadas de fuzil. A porta continuava aberta e os chios da rapina vibravam na cozinha. O barulho das galinhas dobrava o lume. Os berros dos que caiam partiam o tempo.

Meu rei dos bolos do pote, tanto medo à noite. – Que fede, mamã, que fede!

Tanto medo à manhã. Não quero ir à escola.

- Havia um homem deitado, pintado com sangue de galinha. Andam bichos soltos. Fico, cuido eu do galinheiro. É o raposo, mamã, anda a fazer barulho e mata galinhas, mata também homens, mamainha. Não quero ir com as vacas, ai avó, sabe? O raposo leva agora vacas, medrou o raposo e pode com elas, anda dia e noite o raposo, é grande, avó, e teve filhos, são-lhe muitos. Mamainha, diga ao avó que não, diga, mamainha, diga.

- Manda o patrão meu filho. Cala. Leva seis bolos do pote, que o avó não sabe quantos há, leva meu filho. Vai com a vara e volta cedo para a casa. Vai, que nós não temos medo.
Aprendemos, meu rei. Vamos aprendendo, não sim? Ao pé do Picoto nunca se passou nada.
O barulho disparou o medo. Rebentou o tempo.

Entravam pela casa adiante.

- Meu rei, que fazias? Fecha. Ai, minha santa, que mo devolves com bem!

- Entra cativo, e as vacas? Perdeu-se a Roxa, não é?

Perdera-se.

Mas a Marela entrara. O sangue do lombo não era de galinha. Mãozinhas pintadas com pólvora. Os bolos do pote que ruminava tinham sabor a milho e cheiravam a raposo azul.

Sobre o autor / a autora

Iolanda R. Aldrei

Iolanda R. Aldrei

(Galiza)

1 comentário

  1. 🕔 17:14, 26.Fev 2014

    Lino

    Linda esta lingua Galega .que eu tão bem entendo ,sendo do Norte de Portugal linda as história de menino npobre que tem medo do monte que cheira a lobo(a raposoneste caso) mas que a fome engana com bolos e afoito pela coragem da mão ,da avó que criança revivi em mim que tantas vezes me senti assim ,carente e mendigando afetos e bolos..Parabéns Iolanda R. Aldrei

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *