<em>Canción do mes de maio</em>, de María do Cebreiro

Canción do mes de maio, de María do Cebreiro

0 comentários 🕔11:00, 25.Jun 2014

1

O amor non sabe usar
as persoas do verbo.
Nada do que dixemos funcionou.

Todas aquelas palabras
quedaron penduradas diante nosa
coma os corpos dos negros
nas árbores do Sur.

2.

Eu pérdome entre as rosas.

Do casamento sei unha palabra.

3.

A nosa cita coa morte era tan doce,
era tan doce que se fundía coa vida.

A morte non sufriu. Abandonámola
e aínda falou por nós no campo
de batalla.

4.

“Que o aire volva aos pulmóns
e o mundo aos seus xeonllos
e o corazón ao meu silencio”

5.

O tempo é un paxaro,
unha moeda de ouro que nos manca.

6.

As flores non tardaron en murchar,
pero o seu arrecendo segue vivo.

O lixo enmudeceu e as rosas
foron consagradas
por todo o que sempre haberá
de terra e de sangue dentro nosa.

A foto é de Juan Salgado.

Sobre o autor / a autora

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *