Um penetra enxerido: Ele está sempre aí! Série “Histórias do Universo dos Falantes” História 03/40

0 comentários 🕔13:00, 10.Set 2014

Série “Universo dos Falantes // e-book “As mais de 40 histórias do Universo dos Falantes” #euamocriar

2014 09 Lu Paternostro 80x80x80-004 (ZEL Os Zelosos penetras) (1)

2014 09 Lu Paternostro 80x80x80-004 (ZEL Os Zelosos penetras) (2)

2014 09 Lu Paternostro 80x80x80-004 (ZEL Os Zelosos penetras) (3)

2014 09 Lu Paternostro 80x80x80-004 (ZEL Os Zelosos penetras) (4)

2014 09 Lu Paternostro 80x80x80-004 (ZEL Os Zelosos penetras) (5)

O enxerido é um personagem curioso. É cabeçudo, com grandes olhos e orelhas gigantes! O resto é pequeninho.

Chegadiço e assanhado, é um tipo audacioso, que quer saber de tudo: dos ouvidos das paredes que ouvem, da vida dos vermes entediados que se arrastem em lixos e esquinas solitárias, das janelas, portas ou mesmo caixas vazias meio abertas – não deixa de dar uma espiada, nunca – dos buracos hirtos, calados…

E dos bumbuns alheios, então? Ah! Destes, ele é um especialista obstinado – a vida do outro é sua mais sublime especialidade!

Por exemplo, se está trabalhando concentrados e de repente sente uma estranha presença, olhe em volta e vai encontra-lo em algum canto, nem que seja pendurado no teto, olhando para você, com aquele olhão! Levanta rapidamente as duas sobrancelhas malandras, dá uma tchauzinho, e diz com um sorriso maroto e bem desavergonhado, curioso de todo: “Oiii”…

Assim como Jaime Madrox, o “homem-múltiplo”, ele se desdobra em vários. Tem o dom da ubiquidade e, coincidente e curiosamente, está sempre onde a gente está.

Intrometido nas extensões telefônicas, anexos nos e-mails, como fotos em mensagens; podemos encontra-los ao longe olhando pelas fechaduras de porta antigas.

Aparecem do nada, como as fumaças que saem de garrafas, aquelas mesmas que abrigam os gênios das lâmpadas mágicas!

Estamos ouvindo música e quando vemos, ele está lá, como um encosto, entremetido, olhando para você e de novo “Oiiii”!

Vamos sentar num sofá e quase sentamos neles.

Atendemos um celular? Pronto, lá estão eles com seus ouvidos tinindo de lustrosos e bem espichados.

Abrimos a geladeira e lá está o cara oferecido, sorrindo para você com a pergunta: “O que você vai comer?

Pergunta tudo. Quer saber de tudo. Descobre coisas do nada.

Seus olhos são verdadeiros faroletes, acessos e muito abertos.

E, quando achamos que estão quietinhos, finalmente dormindo? … Não estão não…

Introduzidos em todos os momentos, normalmente são atenciosos e adoráveis. Mas, xeretas e oferecidos, no fundo no fundo, não querem mesmo é perder nadica de nada nenhum da vida que é a tua, a do outro, e a de todos os outros!

Sobre o autor / a autora

Lu Paternostro

Lu Paternostro

(Brasil) Chamo-me Luciana G. Paternostro mas assino minha produção artística como Lu Paternostro. Sou artista plástica, designer, ilustradora, amante da fotografia e da cultura tradicional brasileira. Nasci e vivo em São Paulo, na capital. Fui aluna de importantes artistas brasileiros como Julio Plaza, Nelson Leirner, Evandro Jardim, Regina Silveira, Donato Ferrari, Donato Chiarella. Já participei de várias exposições coletivas e de publicações do segmento da arte e design. Como designer desenvolvo ininterruptamente trabalhos com meu grafismo, particularmente a série “Mundos Intrincados”, desde a década de 80, gravitando entre a expressão artística, a arte aplicada, integrando as minhas ilustrações ao design de produtos e peças publicitárias. Atualmente exploro a arte multimídia também, migrando meus grafismos para um ambiente interativo, permitindo a participação do público na minha criação, explorando novos meios que permitem a fruição de meus desenhos, personagens, cenas e mundos intrincados que vou criando.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *