<em>Contenda na concorrência</em>, por Artur Alonso Novelhe

Contenda na concorrência, por Artur Alonso Novelhe

0 comentários 🕔16:45, 15.Out 2014

A espécie extermina outras espécies,
denota providência.
Ocupa imensa a plana maior
de todo o atemorizado planeta,
e ainda assim sempre se encontram,
por dentro, valeiros.

A espécie mata à rapina,
abre as entranhas da mãe
– terra na areia ferida –
e no entanto continuamente
se sente, a miúdo, vencida.

Hoje reúnem-se
perto dum combinado local
a determinada hora, em determinada altura,
para devorarem-se por si mesmos.
Maximus Sancti cum nomine do Primeiro Sacramento

A este ato denominam-no contenda.
Seu objetivo:
garantir cobiçados recursos
que a seguir em grandes celebrações dilapidam sempre,
com arrogância, alegremente;
como se dum obsequio a regalar se trate
porque Roma precisa, a um tempo,
degolar, incipiente, pela noite no pentecostes,
um anho renascido do velho carneiro preto;
para tirar, contra a dor, o pecado do insípido berço.

A espécie gosta do riso também
como das sêmolas de trigo
e da fartura.
Desfruta com fêmeas violadas
e meninhos fracos, emagrecidos,
com moscas na cara da núbil fotografia.

A espécie sabe dizer: me,
escreve gafanhotos com gralhas na ortografia
(porque adora pasigrafar
sua raiva em todo seu domínio)

Um constrói, outro o imita, um terceiro planifica;
afinal juntam tílias nos passeios e
camélias em grandes prédios, demolidos, ao lado
imensas praças, com teatros e alinhadas avenidas;
reluzentes desde um centro
simétrico – bem vos digo – ao
grande monumento equestre à aquele general
que – hoje mesmo antes da ceia executar
ordenou ocupar–decepar ou queimar com ardor
provisoriamente –
todas as florestas que virgens ainda restem

… por se acaso em alguma delas
se escondem os insurgentes.

(ego te absolvo…)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *