Branco e vermelho: poesia dos trovadores provençais (XVII) ~ Daude de Pradas

0 comentários 🕔14:00, 05.Nov 2014

DAUDE DE PRADAS (…1214-1282…): Amors m’envida e.m somô (tradução de Graça Videira Lopes)
 

Amors m’envida e·m somô
qu’iéu chant e faça a saber
cossi·m ten Amors en poder,
ó si m’es trop mala ó no;
e póis vei que·s ilh m’en apela,
e·lh sazôs qu’adés renovela,
ben es dreitz qu’en chantan retraia
cossi·m conorta e m’apaia
uns jóis qui s’es en mon cór mes,
per bon respiéch que m’a conquês.
 
De totz los bens qu’en Amor sô,
ai iéu ara qualque plazer,
car iéu ai mes tot mon esper,
mon pensar e m’entenciô
en amar domna coinda e bela,
e soi amatz d’una piucela,
e quan trob sóudadeira gaia,
deporte mi cossi que·m plaia;
e per tant non son menhs cortês
ad Amor si la part en três.
 
Amors vol ben que per razô
éu am midon per mais valer;
et am piucela per tener
e sobre tot que·m sia bo
s’ab toseta de prima sela,
quand es frescheta e novela,
don no·m cal temer que já∙m traia,
m’aizine tant que ab liéis jaia
un sér ó dôs de mês en mês,
per pagar ad Amor lo cês.
 
Non sap de domnei pauc ni pro
qui del tot vol sidons aver;
non es domneis póis torn’a ver,
ni cors s’i ren per guizerdô.
Aia·n hom anel o cordela,
e cug n’ésser reis de Castela!
Pro es domneis d’amor veraia,
si jóias pren e, quan pot, baia;
e·l sobreplus tenha Mercês
en tesaur, e no·n done ges.
 
Franca piucela de sazô
mi platz, quand m’es de bel parer,
e·s vai de josta mi sezer,
quan sui vengutz en sa maisô;
e si·l vuolh baisar la maissela
ó·lh estrenh un pauc la mamela,
no·is móu ni·s vira ni s’esglaia,
anz ponha cum vas mi s’atraia,
tro que·l baisars en sia pres
e·l doutz tocars de luoc devês.
 
De sóudadeira coind’e pro
vuolh que·m don, ab pauc de querer,
tot çó qu’Amors vol a jazer,
e non faça plag ni tençô
d’ostar camisa ni gonela,
anz dance segon que·l viela
cel que non a sonh que s’estraia
de far tot joc qu’Amors l’atraia;
e s’ilh n’avia mais aprês,
já de l’ensenhar no·is feissês.
O Amor me convida e me insta
a que cante e faça saber
como me tem em seu poder,
e se me faz muito mal ou não;
e pois vejo que ele assim me chama,
e que a estação ora se renova,
é justo que cantando conte
como me conforta e sossega
uma alegria que no coração me entrou
pela boa esperança que me conquistou.
 
De todos os bens que no Amor há,
recebo eu agora algum prazer:
pois pus toda a minha esperança,
o meu pensar e a minha intenção
em amar dama graciosa e bela,
e sou amado por uma donzela,
e quando encontro soldadeira alegre
divirto-me tanto quanto me apraz;
e por isto não sou menos cortês
para o Amor, se o parto em três.
 
Amor bem quer que, com razão,
eu ame minha senhora, para mais valer,
e ame donzela para a ter,
e sobretudo que me saiba bem
se, com mocita de primeira sela,
quando é fresquinha e nova,
e de quem não devo temer que me traia,
me arranjo tão bem que com ela me deite
uma noite ou duas de mês a mês,
para pagar ao Amor seu tributo.
 
Não sabe de galanteria coisa nenhuma
quem da sua senhora tudo quer ter.
Não é galanteria se passa a ser verdade,
ou o corpo é dado por galardão.
Tenha um homem um anel ou um cordão
e cuide com isso ser rei de Castela!
Galanteria é, e de amor verdadeiro,
se prendas recebe e, quando pode, beija;
o resto tenha-o a piedade
como um tesouro e não o dê.
 
Franca donzela na idade certa
me apraz, quando é de bom parecer
e se vai ao pé de mim sentar
quando chego à sua morada;
e se lhe quero beijar a bochecha
ou lhe aperto um pouco a maminha,
não se move, nem se vira ou assusta,
antes procura chegar-se a mim,
até que o beijo seja dado
e o doce tocar do lugar vedado.
 
De soldadeira graciosa e boa
quero que me dê, sem muito pedir,
tudo o que o Amor quer do deitar,
e que não faça preito nem discussão
de tirar a camisa e a gonela,
mas antes dance segundo o som da viola
daquele que não cuida renunciar
a fazer todos os jogos que o Amor lhe traga;
e se tiver ela aprendido mais algum,
que em ensiná-lo não seja avara.

 

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *