<em>Bancos de Sonhos</em>

Bancos de Sonhos

0 comentários 🕔10:32, 19.Nov 2014

Agora que é dormitório o banco,
sem crédito ou assento para o pranto,
investem em sonhos e saudades
povoadores sem luxo da entidade
que têm por chão o frio encadeado
a este leito público ignorado
na cegueira da noite da cidade.

E guardam três mil rostos afogados,
e mais um interesse impagado,
resguardados na noite do caixeiro,
estes seres nascidos de um caderno
de versos sobre heróis silenciados,
esquecidos no dia, apagados
da nómina do espectro pós-moderno.

Entre a matéria escura das vidreiras
que anunciam hipócrita hipoteca
com juros desterrados de cem mares
e seguros perdidos nos azares,
moram tempos de números sem letra,
mentres letras perdidas e pequenas
contratam e alugam liberdades.

À espera da jornada laboral,
para deixar o ninho e caminhar
ocultos entre as primeiras luzes,
ainda pensam revoltas entre as nuvens
soberanos de nenhum capital,
aves raras nas ruas da manhã
sem muda ou mudez que o tempo mude.

Namoram sobre o mármore cantigas
do outro lado da caixa de caudais,
abraçados à liberdade amiga,
registam os seus sonhos sem aval.

Sobre o autor / a autora

Iolanda R. Aldrei

Iolanda R. Aldrei

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *