3 poemas de <em>Nestes Días</em>, de María N. Soutelo

3 poemas de Nestes Días, de María N. Soutelo

0 comentários 🕔12:30, 17.Dez 2014

Nestes Días, de María N. Soutelo, é um poemário publicado recentemente na coleção Q de Vian Cadernos, por A Porta Verde do Sétimo Andar. O limiar foi escrito por Manuel Pereira Valcárcel e a fotografia da capa é de Andi Irrazábal. Quem estiver interessada/o em adquirir o livro pode enviar um correio electrónico a info@acintadebalduque.net.

Desde Palavra Comum agradecemos à sua autora que facilitasse a publicação destes 3 poemas da obra.

(I)

As caixas de mudanza, cheas de po e fastío.

Sen lugar aínda, como sombras inquietantes na volta do corredor,
agora que os días son tan curtos e sempre semella ser noite,
meniñas esluídas,
diamantino zume.

E dis a quen che pregunta que estás cansa, que
é esta chuvia, os cambios
de estación deprímenme tanto
. Pero
é mentira.

Son esas caixas que che recordan qué tan difícil é atopar o teu sitio.

A cidade, rumbo constante, non se preocupa por ti, home muller á auga.

Morriña de folla caída
que perde á árbore que a pariu para sempre.

(II)

Miro follas pasadas no almanaque
da cociña
onde anoto os cambios
da paisaxe do meu corpo.

Todo inzou nesta casa
na que agora me habito

como hedras vivaces
na árbore morta,

como nubes que se recortan
nun bucle infinito
nun ceo de papel charón

que me fala mainiño dos días que quedan por vir.

(III)

É certo que sinalas
co dedo índice
cara ó ceo
e cesa a chuvia.

Sorriso no retrovisor, non te perdas
no gris deste día.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *