Poemas (III), por Kingsley Dennis

Poemas (III), por Kingsley Dennis

0 comentários 🕔11:30, 24.Dez 2014

Kingsley L. Dennis, PhD, é um sociólogo, investigador e escritor, autor de vários livros reconhecidos pela crítica: The Phoenix Generation (A Geração Fénix) (2014); Breaking the Spell (Quebrando o Feitiço) (2013); The Struggle For Your Mind (A Luta Pela Tua Mente) (2012); New Consciousness for a New World (Nova Consciência para um Novo Mundo) (2011); After the Car (Após o Carro) (2009); e o célebre Dawn of the Akashic Age (Aurora da Era Akáshica) (2013 – com Ervin Laszlo). Tem trabalhado no Departamento de Sociologia da Universidade de Lancaster (Reino Unido), assim como no campo educativo, durante vários anos, fora do Reino Unido, cinco deles em Istambul, Turquia. É autor também de numerosos artigos sobre social futures (desenvolvimento laboral), tecnologias e novos meios de comunicação, assuntos mundiais e a evolução consciente. Mora na Andaluzia. Este é o seu espaço web.

Desde Palavra Comum queremos agradecer ao autor o envio destes poemas, que se publicam na sua versão original em inglês e em tradução feita por Pedro Casteleiro, Tati Mancebo e Ramiro Torres.

BEYOND THE OCEAN

Can you accept that which you cannot deny?
Can you love the silence in return?

Cause when the stars begin to fall, I want
to save a life tonight

When the stars begin to fall on you, I want to save your life tonight.

Why should we ignore what we cannot deny
Living a life inside a prison of spies
It’s like swimming against the tide
In a sea of drowning light -

There’s nowhere to hide beyond the ocean, my dear…

Cause when the stars begin to fall, I want
to save a life tonight

When the stars begin to fall on you, I want
to save your life tonight.

There’s no knowing which way the wind is blowing
There’s no knowing which way our love is going
There’s no knowing how the sun is dying
There’s no knowing how our love is growing

So can you accept that which you cannot deny?
Can you love the silence in return?

There’s nowhere to hide behind the ocean, my dear…

Cause when the stars begin to fall, begin to fall…I want
to save my life tonight

When the stars begin to fall on you, on you…I want
to save our lives tonight.

I want to save our lives tonight….

24.05.06

ALÉM DO OCEANO

Podes aceitar aquilo que não podes negar?
Podes amar o silêncio em troca?

Porque quando as estrelas começarem a cair, quero
salvar uma vida esta noite.

Quando as estrelas começarem a cair sobre ti, quero
salvar a tua vida esta noite.

Por que devemos ignorar o que não podemos negar
vivendo uma vida numa prisão de espiões
É como nadar contra a maré
num mar de luz afogada -

Não há lugar onde esconder-se além do oceano, querida…

Porque quando as estrelas começarem a cair, quero
salvar uma vida esta noite.

Quando as estrelas começarem a cair sobre ti, quero
salvar a tua vida esta noite.

Nunca se sabe em que direção sopra o vento
Nunca se sabe que caminho leva o nosso amor
Nunca se sabe como morre o sol
Nunca se sabe como cresce o nosso amor

Assim que podes aceitar aquilo que não podes negar?
Podes amar o silêncio em troca?

Não há lugar onde esconder-se além do oceano, querida…

Porque quando as estrelas começarem a cair, a cair, quero
salvar a minha vida esta noite.

Quando as estrelas começarem a cair sobre ti, sobre ti… quero
salvar as nossas vidas esta noite.

Quero salvar as nossas vidas esta noite…

24.05.06

I RAIN ON YOU

I rain on you
I rain on you
Like a meteorite tonight.

I am your shower of silver
Your sparkle of light,
I shine in your darkness
I surrender your fight.

I rain on you
I rain on you
Like a meteorite tonight.

I am your guardian gold
Your figure of eight
I protect your curfew
I diminish your hate.

I rain on you
I rain on you
Like a meteorite tonight.

I’m your nameless naked
Your love infection
I feed our shared soul
I crucify your doubt

I rain on you
I rain on you
Like a meteorite tonight.

And the rain is quicksilver
The rain is like air
The air is quicksilver, the rain is like air
The rain is like air, the air is quicksilver.

23.50
25.05.06

CHOVO SOBRE TI

Chovo sobre ti
Chovo sobre ti
Esta noite como um meteorito.

Sou o teu banho de prata
A tua faísca luminosa,
Brilho na tua escuridão
Rendo-me no teu combate.

Chovo sobre ti
Chovo sobre ti
Esta noite como um meteorito.

Sou o teu guardião ouro
A tua forma de oito
Protejo a tua retirada
Diminuo o teu ódio.

Chovo sobre ti
Chovo sobre ti
Esta noite como um meteorito.

Sou o teu nu inominado
A tua infeção de amor
Nutro a nossa alma comum
Crucifico a tua dúvida

Chovo sobre ti
Chovo sobre ti
Esta noite como um meteorito.

E a chuva é mercurial
A chuva é como o ar
O ar é mercurial, a chuva é como o ar
A chuva é como o ar, o ar é mercurial.

23:50
25.05.06

LAMA

I knew it was a dream when you let me hold you close,
touch your neck to heal a pain, and draw close to a kiss.
You said you had told your father that I was like a lama;
I smiled and said I was no lama, yet was glad you thought
of me in that way. You were happy that I came.

I was the happier one, believe me my dear.
It was a dream from which I did not want to awaken.
I could have remained asleep like this for aeons,
or until the spell was broken. Now that I am awake
there is a nostalgia for the realm of the invisible.

09.48
15/10/07

LAMA

Soube que era um sonho quando me deixaste abraçar-te,
tocar-te o pescoço para curar uma dor, e achegar-me quase a um beijo.
Disseste que contaras ao teu pai que eu era como um lama;
Sorri e disse que não era lama algum, ainda que estava feliz
por pensares assim em mim. Estavas contente de eu ter vindo.

Eu era o mais feliz, acredita, querida.
Era um sonho de que não queria acordar.
Poderia ter permanecido adormecido nele por eras,
ou até que o feitiço fosse quebrado. Agora que estou desperto
há uma saudade do reino do invisível.

09:48
15/10/07

BEGGAR

I tiptoe like a beggar
wearing second-hand
ballet shoes.

If you hear me coming
I am ashamed
of my sounds…

19/01/08

MENDIGO

Ando na ponta do pé como
um mendigo vestindo
sapatos de balé de segunda mão.

Se me ouves chegar
estou envergonhado
dos meus sons.

19/01/08

THERE IS

There is a pain, there is a love,
There is a rage, there is the dove.

There is compassion.
There is frustration.
There is the knowing
And the whole unknowing.

There are the stars shining
And the nights closing in.
There is the thankfulness
And there are the years ahead.

There is the flow of love.
And all of the above.

23.19
30/08/08

EIS

Eis uma dor, eis um amor,
Eis uma fúria, eis a pomba.

Eis a compaixão.
Eis a frustração
Eis o conhecimento
E o desconhecimento total.

Eis as estrelas brilhando
E as noites que se aproximam.
Eis o agradecimento
E eis os próximos anos.

Eis o fluxo de amor.
E tudo o que precede.

23:19
30/08/08

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *