Entrevista ao músico Alfredo Dourado

Entrevista ao músico Alfredo Dourado

0 comentários 🕔12:30, 31.Dez 2014

- Palavra Comum: Que é para ti a música?

- Alfredo Dourado: Linguaxe.

- Palavra Comum: Como entendes o processo de criação artística?

- Alfredo Dourado: Non se entende, non é racional, non responde a unha ética cartesiana, simplemente faise, sae, aparece, acontece…

- Palavra Comum: Qual consideras que é -ou poderia ser- entre a música e outras artes (literatura, fotografia, audiovisual, artes plásticas, etc.)?

- Alfredo Dourado: Se a pregunta é cal é a relación entre música e outras artes, hai que dicir que toda, a relación é a conciencia, como ben explica Hegel, a conciencia como feito creador, por tanto, non habería que notar moitas diferenzas.

- Palavra Comum: Quais são os teus referentes criativos?

- Alfredo Dourado: Victor Wooten.

- Palavra Comum: Que músicas/músicos reivindicarias por não serem suficientemente conhecidos (ainda)?

- Alfredo Dourado: Guilherme e Bastardo.

- Palavra Comum: Que valor e espaço tem nos teus trabalhos a tradição musical galega?

- Alfredo Dourado: Moito, pero a tradición é eternidade, non existe unha tradición galega, máis ben unha música popular galega. A tradición é todo.

- Palavra Comum: Qual achas que é a relação existente entre a música galega e as da lusofonia e o seu potencial criativo, o existente e o que se pode desenvolver?

- Alfredo Dourado: Relación toda, compartimos ritmos, melodías e linguaxe.

- Palavra Comum: Que caminhos (estéticos, de comunicação das suas criações à sociedade, etc.) estimas interessantes para a música hoje, nomeadamente no contacto com o público?

- Alfredo Dourado: Todos os camiños son necesarios, e posibles: acudir a crowdfunding ou arriscar directamente para sacar á luz discos gravados, traballar desde internet (redes sociais, plataformas dixitais, etc.), e, por suposto, buscar o contacto directo co público nos concertos.

- Palavra Comum: Que projetos tens e quais gostarias chegar a desenvolver?

- Alfredo Dourado: Teño moitos proxectos se cadra non debería ter tantos. Actualmente, entre outros, fago parte de A Roda e Guilherme e Bastardo.

- Palavra Comum: Que achas de Palavra Comum? Que gostarias de ver também aqui?

- Alfredo Dourado: Penso que é unha boa plataforma de coñecemento musical. Gustaríame ver que a palabra é realmente común, e por iso estar aberta a todo tipo de expresión e opinión.

Sobre o autor / a autora

Ramiro Torres

Ramiro Torres

(Galiza) Ramiro Torres nasceu na Corunha no 1973 e estudou Graduado Social. Tem publicado poemas na revista 'Poseidónia' e 'Agália', assim como no blogues 'A fábrica' e 'A fábrica da preguiça'. Inaugurou as edições do Grupo Surrealista Galego com o seu livro "Esplendor Arcano".

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *