Fragmentos de <em>Somos negras</em>, de Igor Lugris

Fragmentos de Somos negras, de Igor Lugris

0 comentários 🕔10:20, 04.Fev 2015

@s desobedientes som quem fam andar o mundo!
Gianni Rodari, Gramática da Fantasia, 1973.

Deus é negra
galegofalante neofalante
reintegracionista
e
muito possIvelmente
poeta

Foi mulher e negra
toda a sua vida
sem saber que havia
quem assegurava o contrário

Negra e galegofalante
neofalante
desde que aprendeu
que a língua
é companheira do império
E reintegracionista
com certeza
ao ler um livro dumha escritora
maldita e desprezada

E deus é negra
como a memória
da nossa memória negra
como a língua
da nossa língua negra
como a maré
do nosso orgulho negro
Neofalante
como o nosso futuro paleofalante
e poeta
muito possivelmente
poeta
como as letras dum rap
libertário solidario e comunista
como um verso de amor
nas paredes dumha cidade velha

Assim é deus
essa deus que inventamos
para podermos dizer
nom
e sermos
nós

*

Quando o 1 de Dezembro de 1955 Rosa Parks
galego falante
negou-se a ceder o seu asento no autocarro
a umha pessoa espanhola falante
nom o fijo para organizar umha campanha de boicote
mas por cansaço

Igualmente
quando o 4 de Setembro de 1957 Elisabeth Eckford
junto com outras oito pessoas
todas elas galego falantes
acudirom ao liceu da sua vila
reservado para espanhol falantes
sendo detidos pola Guardia Nacional
nom o figerom para promover um levantamento popular
mas porque estavan cansos de nom poder estudar

E ainda poderíamos acrescentar que
o 16 de Outubro de 1968
quando Tommie Smith e John Carlos
levantarom os seus punhos com luvas negras
na cerimónia de entrega das medallhas olímpicas
nom o faziam para conseguir umha fotografía para a História
mas por cansaço de ter que agachar o seu orgulho como galego falantes

Digamo-lo com claridade
Repitamo-lo mais umha vez
“Umha nova política negra require umha visom nova
umha nova esperança
e novas definiçons do possível
O nosso tempo chegou
Estas cousas som necessárias
Todo é possível”*

(* Extracto da Convençom Política Nacional Negra, 10-12 de Março de 1972, Gary, Indiana, Estados Unidos da América)

*

2015 02 Igor Lugris Somos negras

Um cretino
um barbalhocas
um botarate
trabalhador dum jornal
vai entrevistar à porta da sua casa
a Kathleen Neal Cleaver
e aos três ou quatro minutos
pergunta-lhe
“Mas porquê é que vostede escreve sempre em galego?”
Kathleen di-lhe
“Aguarde, que vou pola resposta”
enquanto entra na casa

E sai
sem dizer nada
justo no momento
no que o fotografo tira a foto
“Tem mais perguntas?”
di Kathleen
tranquilamente

*

Língua prioritária do meu povo
eu utilizo-a um pouco, para quedar bem,
em cursiva e sem ganhas,
porque me sai de dentro, alá do fundo,
dumha tristura aceda que me empece
falá-la habitualmente

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *