<em>Amar</em>, por Artur Alonso Novelhe

Amar, por Artur Alonso Novelhe

1 comentário 🕔12:30, 04.Mar 2015

Cuidar-te como uma flor
Também gostaria dizer-te tantas cousas
que dizer-te me fora impossível
como:
os papeis que algum dia te entreguei
em tuas mãos foram desprezo

O acaso tem estas cousas,
repara de fundo no resto…

Cuidar-te como uma flor
decidir que com olhar-te
soluciona-se
tanta dor na humanidade, por aí fora,
retida em lágrimas – que outros desprezam
e sempre em seu baile se perdem…
como se alguém se importar
com o infortúnio que habita outras mentes.

E o tempo que é o nada
inconscientemente a me dizer
– a mim (e a ti) –
que os anos a folhas entediam,
e limpam os poemas
que logo o cansaço envilece

Cuidar-te, bem sei,
cuidar-te como uma flor
sabendo agora que há mais buracos negros
na alma
do que no cosmos cometas a colidir
entre nuvens de poeira espessas

E a nós em particular a mendigar
um pedaço de amor
que apenas nos sacia,
pois nosso espírito foi entregue
a roleta viciada da carnagem

e pouco resta nele da ansiada divindade

Muito não importa não,
como tampouco nos importa
o futuro desta pobre humanidade
e suas pobres humanas carências

sublimes e etéreas
como a morte quando visita a um ser
cadente na fome que vincou sua experiência

Cuidar-te como uma flor,
(Como?)
dentro dum universo bipolar
cuja balança já só atende aos pagos autoritários…

1 comentário

  1. 🕔 22:41, 05.Mar 2015

    P

    Muito lindo!

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *