<em>Terra Mãe</em>

Terra Mãe

0 comentários 🕔12:00, 25.Mar 2015

A Nela Abella. Voz.

Aboia o horizonte entre as ondas da brêtema.
Pousa o Outono nos cabelos um segredo antigo.

Nasce o dia pausado do amieiro.
Entre as mãos, nasce o rio.
Nascem a memória, o lume e o sentir.
A manhãzinha é um mundo por criar
com ternuras de colo e cantigas ledas.

Retorno à fé da terra sem caminhos,
lajes lavradas pola chuva e o vagar,
acorda então a entranha e dói o dia.
Medro passos na lembrança.
Palpita a vida de areia e de neónio;
respiro rechouchio e poluição,
autoestradas e ourego, betume e pranto,
verdor e fogo, carícia e lama,
fome e calor, indústria e arcos.

Volta a intimidade e revolta a ferida,
o loureiro e a buzina, o esplendor,
os ventres colmados e a tristeza,
o ruído e o metal, a fervença e o dom.
Dissonâncias das vidas e as histórias.

Quem arrincou o ferro e perturbou
o sono da pedra sobre o tempo?
Por que afogou o som da água
e o carvalho velho assulagou
dias de sombra e sonho vivos?
Quem quer matar o silêncio da campia
e prender a cinza com o sol?

Entre os braços das nuvens
as feridas são fechadas com luz.
Salmodiam as fontes,
pintam aves,
e treme um remanso no sentir.
Volta o canto a moldar
a paz da estirpe.

Na espiral do amor tudo é possível.

(De Memória de Nós)

Sobre o autor / a autora

Iolanda R. Aldrei

Iolanda R. Aldrei

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *