Dous poemas de Vergílio Alberto Vieira

Dous poemas de Vergílio Alberto Vieira

0 comentários 🕔11:45, 06.Mai 2015

Hoje celebramos o reencontro com um poeta português muito querido na Galiza, Vergílio Alberto Vieira, a quem conhecemos Táti Mancebo e mais eu em Braga da mão do também grande poeta e amigo Amadeu Baptista, por volta do ano 1994.

A. Ferreiro

 

A ÁRVORE DO VIAJANTE

Do génio a que deu abrigo,
Sem ser por obrigação,
Ninguém sabe, ser amigo
Não exige condição.

Para o que casa não tem,
É sempre longa a viagem.
Dar, pois, sem olhar a quem,
Que caminho é passagem.

Por muito mais receber,
A seu favor o que dá
Nada lhe falta para ser
Quem mais tem, se nada há.

Sombras podia vender
Aos que o sol castigava,
Mas antes pôr a render
Consolo a quem passava,

Deserdado, peregrino,
Andarilho, mercador,
Umas vezes, sem destino
Buscando seja o que o que for;

Outras, terras demandando,
Da promissão desejada
Que não se sabe até quando
Um dia, nos leva a nada.

*

O INVENTOR DE RIOS

Atraídos ao engano,
Pelo homem, que os esqueceu,
Sobem à terra, que o ano
A terra desmereceu.

O sol bebe-lhe o sangue;
Cansa-a, de fome, o arado.
Pobre terra, terra exangue,
Quem, pois, lhe dará cuidado.

Terá, o homem, o que quer,
Quando aperta a carestia,
Se assim a Deus aprouver
Como ao pão de cada dia.

Nasça, das mãos, a promessa
De outro tempo, outra vontade.
Qual jornada que começa,
Quando a vida é novidade.

Nasçam mares, onde o deserto
Castigou quem nada tem,
P’ra que o mundo então liberto
Não seja terra de alguém.

Inventem-se novas ‘speranças,
Novos caminhos, sinais,
Laços de amor, alianças,
Entre povos imortais.

Vergílio Alberto Vieira (inéditos)

Sobre o autor / a autora

Vergílio Alberto Vieira

Vergílio Alberto Vieira

(Portugal)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *