<em>Não ideias sobre a cousa senão a cousa mesma</em>, de Wallace Stevens

Não ideias sobre a cousa senão a cousa mesma, de Wallace Stevens

0 comentários 🕔13:29, 12.Mai 2015

NÃO IDEIAS SOBRE A COUSA SENÃO A COUSA MESMA

 

No começo do fim do inverno,
Em março, um esquelético berro do exterior
Parecia um som na sua cabeça.

Soubo que o ouvira,
O berro de um pássaro, com a luz do dia ou antes,
No vento precoce de março.

O sol acordava às seis,
Nunca mais um magoado penacho acima da neve…
Teria estado fora.

Não procedia da vasta ventriloquia
Do papel maché esvaido do sono…
O sol vinha de fora.

Aquele esquelético berro—era
Um corista cujo c precedia o mesmo coro.
Era parte do sol colosal,

Rodeado polos seus aneis corais,
Ainda ao longe. Era como
Um novo conhecimento da realidade.

Tradução de Táti Mancebo

*

 Original de Wallace Stevens: NOT IDEAS ABOUT THE THING BUT THE THING ITSELF / At the earliest ending of winter, / In March, a scrawny cry from outside / Seemed like a sound in his mind. // He knew that he heard it, / A bird’s cry, at daylight or before, / In the early March wind. // The sun was rising at six, / No longer a battered panache above snow… / It would have been outside. // It was not from the vast ventriloquism / Of sleep’s faded papier-mache… /
The sun was coming from the outside. // That scrawny cry–It was / A chorister whose c preceded the choir. / It was part of the colossal sun, // Surrounded by its choral rings, / Still far away. It was like / A new knowledge of reality.

NOTA: a foto usada neste artigo provém da Wikipédia.

Sobre o autor / a autora

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *