<em>Criação essencialmente</em>

Criação essencialmente

1 comentário 🕔11:45, 15.Mai 2015

Flor essência. Neste livro de apenas 96 páginas, Tere Tavares (amiga escritora e poeta, Brasileira) confirma aquilo que tenho dito nos últimos dias, «os modelos são todos para todos». Odeio os ensaístas que têm a tendência para comparar uma escrita com a outra. Toda a escrita que não seja plagiadora é singularmente de quem cria. Por mais que haja imagens criacionais numa, assim como na outra letra é patético igualmente inserir um poeta ou escritor no feto pronto, ou imagens semelhantes. Tere Tavares concebe a sua escrita com uma perfeição ao nível da língua, letra-poética, imagens tinta e voz. Tornando a sua escrita para o leitor “ecrã” de projecção cinematográfica. Neste caso, o leitor vem ver nesta escrita o mínimo e a essência dos objectos que ela descreve sobre a sua agradável letra: “a lagrima não diz/ o rio que me percorre/ nem o riso me define / … a nudez é/ sempre forte demais/ na continua fluência/ de buscar o íntimo mistério”. Tere Tavares emociona e apaixona o leitor, leitor que dá significação aos mínimos detalhes da escrita e da letra, dos exercícios e da prática, da arrumação e da perfeição: “as coisas que digo/ não me dizem/ já as que calo me contam …”. Há um descrever muito íntimo e profundo que só uma poeta madura, como Tere Tavares, nesta escrita pode fazer: madura? Eu não disse madura, talvez esteja equivocado entre os radares desta letra, cuja semente foi lançada pela Tere Tavares “… Tua saia toda vida/ toda sorte o teu seio/ e branca toda lágrima que molhasse a boca/ das flechas que atiras ao destino”. Há igualmente um exercício que é muito importante em criação da letra literária, em particular a poesia: “a abelha chegou/ bebeu o néctar da flor de limoeiro/ vestiu-se de me// o pássaro chegou pousou no galho em meio aos espinhos vestiu-se de ninho// homem … vestiu-se de mel/ … ninho/ … limoeiro”. Tere Tavares não só é poeta e/ou escritora, é também “gostadora” de palavras de forma mestra e especial: “noiva do sol/ veste-se de olhos negros/ núpcias da noite”: esta poeta é concreta! Isso sim, caracteriza a sua escrita singular, pelo menos neste livro, que para mim livro não sei se é (isso transcende o ser livro), mas autêntica viagem. Talvez se justificado pelo facto da mesma poeta Tere, para além de pintar em telas de papéis, igualmente em telas de tinta plástica (arte): “sou incapaz/ de chorar uma lágrima de cada vez/ vejo-me cachoeira/ chorando todas as chuvas juntas/ e a cada poente/ tépido … no anseio de um sonho ressôo”. Esta escrita inspira e ensina não a escrever, mas a pintar imagens lindas e perfeitas quando o jogo na escrita ganhar outro conceito como “aprimorar” a beleza, e o gongorismo desta perfeição erra apenas o que é: “o sol vermelho/ acalma o horizonte/ fico assim/ a perder-se no avesso do dia/ até que a unidade de um sopro me contemple” nesta mesma escrita, para além do amor ao mínimo do concreto das coisa(S?), existe igualzinho a essência de preferência e aqui eu me encontro: “a madrugada é mãe santa/ traz flores silvestres/ as únicas que valem apena” esta poeta também gargalha a letra sem limite. A letra fica frustrada e ri-se com ela e volta a estar furiosa. Contudo, Tere Tavares é uma das poucas escritoras com estas características, até porque não pretendo comparar! Comparar, comparar o quê?

Lino Mukurruza

Lichinga, Moçambique, 04 de Maio 2015.

Sobre o autor / a autora

Lino Mukurruza

Lino Mukurruza

(Moçambique) Lino Mukurruza (pseud.). Lino Sousa Mucuruza, moçambicano. Publicou “Vontades de partir & outros desejos” – Poesia. (FUNDAC, 2014), “Almas em tácitas” – Poesia (LUA DE MARFIM, 2015) Colabora em diversas revistas, nacionais e internacionais, só para destacar algumas: (“PIRÂMIDE”, “SOLETRAS”, “LITERATAS”, “CORREIO DA PALAVRA” – Revista da ALPAS 21, “XITENDE”, “SINESTESIA” Caderno literário “PRAGMATHA” entre outras). Consta nas antologias poéticas “CLEPSYDRA” – Coordenada pela poeta Gisela M. Gracias Ramos Rosa - (COISAS DE LER, 2014), “À FLOR DA ALMA” – Coordenada pela poeta Sandra Ferrari Radich Fresa - (SOL, 2014) “Vozes do Hiterland” (Letras de Angola, 2014), “PREMONIÇÕES” – (LUA DE MARFIM, 2015), “POEMA-ME” (LUA DE MARFIM, 2015), “POESIA DE PINTAR E SER FELIZ” (LUA DE MARFIM, 2015) na 12 Volume da antologia “LOGOS” (Janeiro, Fevereiro 2015), foi vencedor mencionado e participa na antologia do XXX prémio mundial de poesia “NÓSSIDE” 2014. Vencedor em segundo lugar do 2º Concurso de Literatura da Academia de Letras, Artes Ciências de Brasil (ALACIB). Vencedor em 3º lugar do concurso internacional de literatura ALPAS 21 “a palavra do século” (Brasil, 2015). Actualmente cursa Português na Faculdade de Ciência da Linguagem, Comunicação & Arte da Universidade Pedagógica (Niassa) igualmente membro de direcção (tesoureiro) do Clube de Escritores Poetas & Amigos de Niassa (CEPAN).

1 comentário

  1. 🕔 18:33, 20.Dez 2015

    Tere Tavares

    Muito grata pela belíssima resenha caro amigo e escritor Lino Mukurruza, pela leitura e apreciação. Grande abraço desde o Brasil.

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *