<em>Os Gallotones e a noção da intimidade: as músicas que o tempo não apaga</em>, por Amosse Mucavele

Os Gallotones e a noção da intimidade: as músicas que o tempo não apaga, por Amosse Mucavele

0 comentários 🕔13:32, 27.Ago 2015

Falar dos Gallotones é fazer um exercício rememorativo de abrir os tímpanos para ouvir uma voz antiga, elegíaca, que expressa o tempo e o amor, onde tudo é evocado, pensado como se fosse um espaço de afectos intermináveis.

No repertório do grupo, o amor é o louvor da força vital que sustenta os momentos mais marcantes das estórias do quotidiano moçambicano. A excelência do bandolim de Ximanganine em peregrinação perfeita com a voz de Abílio Mandlhaze (vocalista e líder da banda entre 1963 e 1995, ano da sua morte).

Com uma maturidade vocal sofisticante e refrescada pelo tempo, os Gallotones valem por si em cada música interpretada de forma doce e colorida. Os seus vocalistas (de Abílio Mandlhaze, António Marcos, Aurélio Mondlane a Pedro Tchau), espelham uma colecção de emoções, desejos, uma proeza mais rara no panorama musical moçambicano. Vozes que soam de forma nostálgica sempre a pensarem em quem as escuta.

Em canções como Juro Sinceramente, Papaiane, Ulava Ni Tisunga, nota-se uma luxuosa transposição de sentimentos, de forma quente, frágil, comovente, sensível, como uma flor-delis para o ouvido ouvinte. É, sem dúvidas, uma das melhores bandas, que consegue nos servir a face mais visível da música moçambicana, ao trilhar as geografias íntimas da beleza de cada canção.

Acima de tudo, diga-se, gallotones 2nestas canções assenta um ambiente “inovador”, cheio de harmonia, que nos faz viajar para outros lugares, na contínua procura de um destino insulado e na descoberta desta desmedida paisagem, “a moçambicanidade”. No panorama da música moçambicana, os Gallotones são os únicos que têm um bandolinista, Ximanganine, à altura dos arranha-céus e é pela sua altivez que lhe é conferido esse incessante poder mágico e poético, que cria uma solenidade lírica, sedutora e religiosa mediante um envolvimento frenético com as batidas da mararabenta, o que confere às suas canções uma total originalidade, um diálogo inconfundível, onde cultuam os acordes do itinerário humano, a vida, o amor, a morte, o tempo.

A POÉTICA DO DIA-A-DIA

“ Ainda bem que já não ardem as
fogueiras. Ou será que continuam
à espera de quem as volte a
acender”, Amadeu Ferreira.

Quando se anda pelos subúrbios da cidade de Maputo, concretamente nos bairros da Mafalala, Chamanculo, Maxaquene, são inúmeras as imagens de famílias a viverem no limiar da pobreza, mas felizes mesmo com lágrimas no rosto, esta visão amarga de uma realidade desprovida de afectos, situa-se numa ponte movediça entre o amor, e a incerteza. A título de exemplo temos esta vivência-comovente-música que é um espelho partido de uma relação amorosa já desgastada pelo tempo:

Ulava ni titlhaya u ta tsaka…..
Ha holele mamã
Ulava ni tisunga u ta tsaka…….
Ha holele mamã
A tirho wa wu siku wa lunga……
Ha holele mamã

Eis o percurso de um casal numa paisagem em transição, para os seus derradeiros momentos, onde a relação fica azeda, a mulher já não tem tempo para o marido, e em contrapartida o marido assume a sua insatisfação, proclamando desta forma, a derrota e submissão ao amor não correspondido, chega até a perguntar se é desejo dela a consumação do suicídio para ela ficar feliz. Esta canção melancólica, sombria, reflecte a intimidade de uma relação amorosa a beira do colapso, é o momento poético, comovente, das vivências de várias famílias moçambicanas. Ademais nota-se uma visão cinemática, como se estas melódicas palavras fossem um vídeo na tela do tempo.

Sobre o autor / a autora

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *