Haikus. Momentos da palabra en pequenas fugas

Haikus. Momentos da palabra en pequenas fugas

0 comentários 🕔12:30, 08.Set 2015

Agullas negras
van tecendo sen pausa
o tapiz do tempo.

Baixo da terra
soñaba xa a semente
que era papoula.

Onde te agochas,
bolboreta de sombra?
Fiando neve.

E no silencio
o voo de dúas moscas
rumor de tronos.

Os tamarindos
axitan vaporosos
penachos verdes.

Liturxia de aves.
Nos altares do outono
oficia o merlo.

Abrochos novos,
entre as pólas espidas
asoman verdes.

A media lúa
como peixe amarelo
nada no río.

Veu a rosada
enfiar entre a herba
perlas de auga.

Sobre o autor / a autora

Chelo Suárez

Chelo Suárez

O mellor don con que fun bendicida ao nacer foi cunha sede infinita de libros. O gusto por respiralos e lelos, tan pronto aprendín a ler. Poeta e narradora, dedícome a crear universos que conxugan o realismo e a maxia.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *