Domótica

Domótica

0 comentários 🕔14:00, 12.Nov 2015

© Xavier Frias Conde

— Esta casa está totalmente informatizada —explicou o simpático gerente da empresa Férias Domóticas, S.A.— Tem tudo quanto precisar para estar isolada do mundo durante uma semana. Com a sua voz, você ativa tudo. A cozinha prepara os pratos que você queira só com dizê-lo; a piscina põe a água à temperatura que você queira; a televisão prende soa quando você quiser e só tem que dizer o que quer ver que ela soa procura. Repare na maravilha que é isto, que até pode programar os grilos para cantarem à noite e no volume que você quiser. Fique à vontade. Para programar qualquer cousa, só tem que usar este relógio digital que lhe dou. Responde aos mandados de voz. E ninguém a incomodará.
A Susana sorriu satisfeita. Sim, isso era o que ela estava a procurar desde havia tempo. A sua vida de trabalho estava a lhe causar um estresse que ia acabar com ela. Decidiu ficar. Queria estar soa, soa de tudo.
Quando o tipo foi embora, foi para o quarto e deixou a mala aberta em cima da cama.
— Arruma a roupa —disse ela falando para o relógio.
Dos colgadoiros surgiram automaticamente dos armários para colocarem a roupa. Esplêndido. Depois foi para o banho. Ia tomar uma ducha. Disse:
— Água da ducha tépida, a 22 graus.
Asinha o jorro começou cair suavemente.
— Massagem nas costas —pediu a Susana ao relógio.
Um par de mãos mecânicas começaram a esfregar nas costas da Susana como se fosse um autêntico massagista tailandês. Era tão bom…
Depois saiu da ducha e disse:
— Enxuga-me.
Um jorro de ar tépido, mui agradável e com aromas de pinheiro saiu do teito e enxugou a Susana em questão de minutos. Depois foi para a cozinha. Ia provar as maravilhas daquela tecnologia que não parava de surpreendê-la tão agradavelmente:
— Uma limonada.
Ao instante, a cozinha automática debulhou uns limões, espremeu neles e botou o sumo num copo. Estava tão saboroso… E assim, ao cabo venceu-a o sono e adormeceu naquele sofá tão cómodo, em que o corpo afundia, afundia, afundia…
— Quiquiriqui!
A Susana abriu os olhos toda espantada. Não lembrava ter ativado o despertador e menos ainda que soasse como um galo. Se tal, teria posto música clássica, mas nunca um galo, que fazia um estrondo horrível. Ergueu-se do sofá e qual foi a sua surpresa quando viu um galo autêntico a se passear pelo apartamento, todo galhardo, com uma crista vermelha brilhante, como se fosse o senhor daquela casa.
Imediatamente, a Susana falou para o relógio:
— Desativa o galo, desativa o galo!
Mas o relógio mostrava uma soa palavra na pantalha: Error.
Como podia pagar tantos milhares de euros por umas férias num lar domótico e acontecer que o sistema se estraga, permitindo que um galo não responda aos mandados do sistema? Rapidamente, a Susana voltou ao quarto e leu o manual de instruções. Nele dizia que caso houvesse uma falha no sistema, teria que reiniciá-lo. Para isso, o próprio relógio tinha um botãozinho vermelho.
Depois, a Susana voltou ao salão. Já não havia galo. Ainda bem. Problema resolvido.
A Susana passou o resto do dia na piscina, vendo um filme e lendo sentada no sofá. Depois ceou um pôlo assado e foi para a cama, onde ainda leu até adormecer. Sim, definitivamente eram aquelas as férias que ela sempre tinha querido, longe do estresse e soa, totalmente soa.
— Quiquiriqui!
Eram seis da manhã. Não podia ser. O galo? Outra vez o galo? A Susana ergueu-se da cama e correu para a cozinha, que era onde parecia que soara o canto do galo. E justo da que ia pelo salão, esvarou. Bluuuuf! Caiu para o chão. Que era aquilo? Era um cagalhão, um autêntico cagalhão de galinha… ou de galo. Então, o bicho não era virtual, era um galo real que escoara na casa. Como o fizera?
O galo estava no alto da pia, todo farruco, a olhar para a Susana, desafiante. Ela não sabia como agir. Bicaria?
— Quiquiriqui?
A Susana foi ao salão. Disse ao televisor de se prender. Depois pediu para falar com o responsável. Quando o teve diante, em pijama, porque ainda era muito cedo, a Susana:
— Explique-me como é que tenho um galo na casa. Como é que conseguiu entrar?
— Minha senhora, acougue. O seu estresse está a fazer-lhe ver visões. É impossível que haja um galo ali dentro. A habitação está hermeticamente fechada. É impossível que qualquer criatura do exterior penetre no seu lar, impossível acredite. É cousa do estresse, a sério, goze da casa, das suas comodidades. Estou certo que ainda não descobriu nem 30% de tudo quanto pode fazer na casa. E agora, bom dia, minha senhora.
E o tipo desapareceu sem a Susana ter vagar de lhe mostrar o cagalhão que ainda lhe pendurava da bata. E para cúmulo, o galo voltou a cantar, mas já quando a ligação estava fechada.
A Susana cavilou muito sobre quais eram as suas opções. Ela mesma não podia sair da casa numa semana, porque estava assim assinado, salvo em caso de emergência, mas o galo não devia ser tal emergência, portanto teria que resolver aquela situação dalguma maneira. E já sabia como, utilizando os seus conhecimentos profissionais.
Nesse momento disse ao televisor:
— Televisor, quero um mapa dos recursos informáticos deste lar…
Seis dias mais tarde, quando o responsável por Férias Domóticas virou a chave eletrónica que dava acesso para o lar da Susana, encontrou a mulher numa animada conversa com alguém, que lhe respondia com uma voz varonil, enquanto ambos riam as ocorrências alheias.
— Podo entrar? —perguntou o tipo desde a porta.
— Pode, pode, adiante –disse a Susana, que o recebeu em bata e com um copo de vermute na mão—. Um vermutinho?
— Não, gracinhas, só vim para lhe dizer que o seu aluguer semanal já acabou e que…
— Oh, que mágoa, passou-me o tempo voando.
— Mas a senhora está com alguém?
— Estou. Venha, que lho apresento. Eis o Diogo.
O tipo da empresa domótica creu estar a ver visões. No sofá, vestido com um batim, havia um galo com monóculo que sustinha um copo de vermute com uma pata. O galo não se alterou ao ver o homem e cumprimentou-o educadamente:
— Bom dia, como está? É mágoa que tenhamos que ir já embora. Como dizia a Susana, a semana passou voando, e isso que nem eu sei voar.
E aí riram os dous o chiste do galo.
Porém, aí já o responsável pela empresa quis saber como era possível que ali houvesse um galo e que, por cima, falasse!
— Afinal foi muito melhor estar aqui acompanhada do que soa, tem uma conversa tão inteligente. Como ele entrou —explicou a Susana—é algo que ainda não sei, porque o Dioguinho não quer contar, mas quanto à razão de por que fala, hei de lhe dizer que é graças aos componentes informáticos da casa, que o computador central combinou inteligentemente, e à minha habilidade como educadora num infantário, porque esse o meu trabalho; é assim como o Diogo agora fala. Passe-me a fatura dos chipes que usei, não há problema.
— Devia tê-la visto –interveio daquela o galo—. Fez-me comer dúzias de chipes camuflados entre grãos de milho. E depois foi cousa de treinamento. É mui hábil a Susaninha, mui jeitosinha.
Novamente riram os dous, a mulher e o galo.
— Bem, já vou ir fazendo as malas. Dioguinho, tu queda aqui com o senhor.
O homem não fazia mais do que olhar para o galo, que de quando em vez dava um grolo para o vermute. De repente, o galo disse:
— Se está a pensar em cobrar o dobre pelo uso do apartamento, esqueça-o.
— É que me adivinha o pensamento?
— Sim, é uma das habilidades que a Susana conseguiu comigo.
— Eu direi que veio com um galo parlante e isso é motivo para lhe cobrar o dobre.
— Eu li as condições do contrato –explicou o galo—. Ali diz que o preço é estabelecido por pessoa, e eu, ainda que fale, não sou uma pessoa.
— Mas, tu és um galo que fala!
— Você diga o que queira, mas se conta por aí que eu falo, vou negá-lo, entendeu?
E sem mais, assim que apareceu a Susana coa mala, o Diogo saltou para o seu ombro e ambos desapareceram tão contentes pela porta, não sem antes ter deixado um cagalhão no sofá, porque não era senão um galo, um galo parlante, mas um galo ao cabo.
— E eu negarei que falo… —sentiu o homem ainda as últimas palavras do galo antes de desaparecerem pela porta.

Sobre o autor / a autora

Xavier Frias Conde

Xavier Frias Conde

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *