Crianças de Moçambique (3/12)

0 comentários 🕔12:00, 24.Dez 2015

Ante a câmara há um sorriso comedido, talvez para abreviar tanta incontinência e sugerir atenção a seus males. Não há lamento, há simplesmente um sorriso de gratidão antecipado para quem deixe um tostão, para mercar um bolinho de milho e compartir entre os cinco miúdos. Uma expressão não fingida. Um dom bonzinho que prolifera nas crianças de todas as Áfricas possíveis. Os dois garotos mais velhos que tinham que estar na escola e os três mais novos no infantário, estão na plenitude da solidariedade atendendo a seus irmãozinhos ou vizinhos de cubata. Não é simples para um ocidental assumir esta realidade de uma maneira frívola e fardadinho de hipocrisia, arrumando seus interesses sem reagir ante dolorosas situações, quando a Mãe África lhe apresenta seu grito no rosto mais dramático das crianças bagando pelas incertezas da vida.

Sobre o autor / a autora

Xosé Lois García

Xosé Lois García

(Galiza-Catalunha) Nascido na Galiza, Xosé Lois García é formado em Geografia e História pela Universidade de Barcelona (Catalunha), cidade onde atualmente vive e trabalha. Articulista, ensaísta, conferencista, tradutor e poeta, é considerado uma das mais importantes vozes da poesia galega contemporânea. Publicou na Espanha antologias da poesia galega, portuguesa, brasileira, angolana e moçambicana, entre outras, além de importantes estudos sobre a simbologia do românico em Portugal e Galiza. Tem vários poemários, dentre os quais se destaca “Tempo precario”, no qual o autor dá voz a seu heterônimo, Pero Bernal, trovador galaico-português.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *