Crianças de Moçambique (9/12)

0 comentários 🕔11:00, 14.Jan 2016

Achei a garotada num dos subúrbios de Quelimane, encostada nas paredes duma cubata de cana e barro. Estava sentada numa esteira sobre a areia do chão e sob a sombra de uma palmeira invisível. Lá estavam os jovens a sorrir e namorar e, também os filhos de alguma delas. A curiosidade os fazia espreitar no aparelho com que eu cobria os olhos. Esse tipo de assembleias nas sanzalas são um símbolo que dignifica a tradição de não viver espalhados do grupo, nem retraídos em seu próprio individualismo. As garotinhas já com filhotes, admiradamente protegidos, com essa animosidade maternal de realizar-se como mães e ser felizes. Elas sabem que ter filhos em condições adversas e vulneráveis é coisa boa para assegurar companhia para superar dificuldades, compartindo-as. A vida é muito curta, em muitos lugares de África. Apenas aos quarenta anos as pessoas são velhas e por isso precisam de ter amparo na velhice e vistoso enterro com cerimónia de lutuosa, batuque a soar e filhos amargurados a dar testemunha de amorosas virtudes.

Sobre o autor / a autora

Xosé Lois García

Xosé Lois García

(Galiza-Catalunha)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *