Três poemas inéditos da escritora Isabel Furini

Três poemas inéditos da escritora Isabel Furini

7 comentários 🕔09:30, 18.Jan 2016

Desde a Palavra Comum agradecemos a Isabel Furini ter partilhado conosco estes três poemas que fazem parte de um livro inédito, estando baseados nos quadros de um artista curitibano, José Antonio de Lima (dos que também reproduzimos aqui três).

Isabel Florinda Furini é escritora, poeta e palestrante, foi premiada em concursos de Poesia e de Contos no Brasil, Espanha e Portugal, é autora do livro de poemas “Os Corvos de Van Gogh”, colunista do jornal digital Paraná Imprensa; Membro da Academia de Letras do Brasil/ Araraquara; foi nomeada Embaixadora da Palavra pela Fundação Cesar Egido Serrano (Espanha), em 2015; Embaixadora da Rima Jatobé, Espanha; recebeu Comenda Ordem de Figueiró pela Academia Virtual de Letras, Artes e Cultura do Brasil; foi nomeada Embaixadora Internacional e Imortal da Poesia pela Academia Virtual de Letras, Artes e Cultura do Brasil.

É também coeditora da Revista Carlos Zemek de Arte e Cultura.

ARTE

provocação a primeira vista
o passado com vestígios de sonhos e agressão
(o arcaico dançando na psique)

as marcas da caverna avançam no casulo do tempo
formas exiladas ente as sombras da noite
o visitante intui significados
mas a razão os descarta

o visitante olha entre admirado e confuso
as figuras estranhas e perturbadoras
sente-se um Neandertal
diante do fogo da criatividade

(o arcaico dançando na psique).

***

Obra de José Antonio de Lima 1

***

O MUNDO DAS PARCAS

oscilam as linhas
formas enganadoras
criadas como artificio
para emudecer a razão

a estética emociona
induz ao pensamento mítico

um instinto primitivo reflete
medos angulares
oráculos de morte
o selvagem ainda sobrevive no homem
e deseja expressar-se

multifacético o mundo encanta,
(o universo de José Antonio
tece e destece as grades da ilusão).

***

Obra de José Antnio de Lima 3

***

CONTEMPLAÇÃO

ecos primitivos
arrepiam a pele
(os lábios silenciam)

dormem os vocábulos

geometrizamos sensações
e as imagens são desenhadas nas retinas
entre mudos gritos de guerra
e facas cerimoniais

***

(os lábios silenciam).

Obra de José Antonio de Lima 5

7 comentários

  1. 🕔 14:53, 16.Fev 2016

    Van Zimerman

    Parabéns Isabel Furini, lindos e significativos poemas! Abraços.

    Responder comentário
  2. 🕔 16:32, 20.Jan 2016

    Marli Terezinha Andrucho Boldori

    Isabel, parabenizo-a e desejo muito sucesso! Grande abraço!

    Responder comentário
  3. 🕔 22:17, 18.Jan 2016

    Liana

    Que inspiração!

    Responder comentário
  4. 🕔 21:35, 18.Jan 2016

    Isabel Furini

    Grata pela publicação de meu poema. Honrada de ter meus poemas publicado em tão importante Revista.

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *