Poemas de Ashraf Fayadh, em tradução de José Pinto (I)

Poemas de Ashraf Fayadh, em tradução de José Pinto (I)

2 comentários 🕔14:00, 25.Jan 2016

Agradecimento: a Mona Kareem, poeta, ativista e amiga de Ashraf Fayadh, pelo esclarecimento generoso do significado e do sentido de certas palavras e expressões árabes, que enriqueceu terminantemente a tradução.
Nota de Palavra Comum: agradecemos a José Pinto ter escolhido esta revista para a publicação das traduções dos poemas, com a vontade de partilhá-las com o público interessado.

À voz de Ashraf Fayadh,
à busca da verdade,
à coragem do grito

Versos controversos

Traduzido por José Pinto, a partir da tradução em inglês de Mona Kareem.
Originais na coleção de poesia do autor
Instructions Within, 2008

1

it was said: settle there..
but some of you are enemies for all
so leave it now

look up to yourselves from the bottom of the river;
those of you on top should provide some pity for those underneath..
the displaced is helpless,
like blood that no one wants to buy in the oil market!

***

foi-nos dito: instalem-se aqui…
mas alguns de vós não são senão inimigos
por isso partam imediatamente

aprecio-vos do fundo do rio;
vós, no topo, devíeis doar alguma pena aos que estão abaixo…
o refugiado é indefeso,
como sangue que ninguém quer comprar no mercado do petróleo!

2

pardon me, forgive me
for not being able to pump more tears for you
for not mumbling your name in nostalgia.
I directed my face at the warmth of your arms
I got no love but you, you alone, and am the first of your seekers.

***

perdoa-me, desculpa-me
por já não ser capaz de chorar por ti
por não murmurar o teu nome com saudade.
voltei a cara para o calor dos teus braços
não tive amor senão tu, somente tu, e eu sou o primeiro dos que te buscam.

3

night,
you are inexperienced with Time
lacking rain drops
that could wash away all the remains of your past
and liberate you of what you had called piety..
of that heart.. capable of love,
of play,
and of intersecting with your obscene withdrawal from that flabby religion
from that fake Tanzeel
from gods that had lost their pride..

***

noite,
não sabes do Tempo
faltam gotas de chuva
que lavassem os restos do teu passado
e te libertassem do que chamaste piedade…
desse coração… capaz de amar,
de brincar,
e de confrontar-se com a tua fuga desonesta daquela religião flácida
daquele Tanzeel* falso
dos deuses que perderam o orgulho…

* Palavra árabe de dimensão teológica utilizada para descrever como Deus ditou as palavras do Corão ao profeta Maomé.

4

you burp, more than you used to..
as the bars bless their visitors
with recitations and seductive dancers..

accompanied with the DJ
you recite your hallucinations
and speak your praise for these bodies swinging to the verses of exile.

***

arrotas mais do que nunca…
enquanto os bares abençoam os visitantes
com recitações e sedutoras dançarinas…

acompanhado pelo dj
recitas as tuas alucinações
e teces elogios aos corpos que balançam nos versos do exílio.

*

Para a petição de Amnistia: Free Ashraf, poet facing execution in Saudi Arabia (Amnesty International UK)

Ashraf Fayadh

2 comentários

  1. 🕔 10:49, 08.Abr 2016

    Ronconi

    Parabéns pela sua iniciativa, amigo. Irei divulgar a página em meu Face. O que ocorre com aquele poeta é uma aberração, uma ignomínia, algo sem nome.
    Um abraço.

    Responder comentário
    • 🕔 16:51, 17.Abr 2016

      José Pinto

      Amigo, é sim “algo sem nome”, mas sabemos bem os nomes que tem e os porquês. Além de Ashraf Fayadh há dezenas de outros artistas, intelectuais,…encarcerados em nome da verdade. Este trabalho é uma pequena gota no que há pra fazer. Mas obrigado pelo comentário e partilha. Um forte abraço

      Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *