Poemas de Ashraf Fayadh, em tradução de José Pinto (II)

Poemas de Ashraf Fayadh, em tradução de José Pinto (II)

0 comentários 🕔11:30, 01.Fev 2016

Agradecimento: a Mona Kareem, poeta, ativista e amiga de Ashraf Fayadh, pelo esclarecimento generoso do significado e do sentido de certas palavras e expressões árabes, que enriqueceu terminantemente a tradução.
Nota de Palavra Comum: agradecemos a José Pinto ter escolhido esta revista para a publicação das traduções dos poemas, com a vontade de partilhá-las com o público interessado.

FRIDA KAHLO’S MUSTACHE

I will ignore the smell of mud, and the need to reprimand the rain, and the burn that has long since settled in my chest.
I am looking for fitting consolation for my situation, which doesn’t allow me to interpret your lips however I wish
Or to brush away the drops of mist from your reddish petals
Or to ratchet down the level of obsession that overtakes me when I realize you are not beside me at the moment.

And will not be… When I am forced to justify my position to the punishing silence of the night.
Just act as if the earth is silent, as we see it from a distance, and that everything that’s happened between us was not more than a bad joke that’s gone too far!

#

What do you think of the days I spent without you?
About the words that evaporated so quickly from my heavy pain?
About the knots that were deposited in my chest like dried algae?
I forgot to tell you that I’ve grown used to your absence (technically speaking)
And that wishes lose their way to your desires
And my memory is being eroded.
That I am still chasing the light, not to see, but because darkness is scary…even if we get used to it!
Would my apology be enough? For everything that has happened while I tried to make up good excuses.

#

For every time jealousy was aroused in my chest,
For every time despair ruined a new day of my dark days,
For every time I said Justice would get menstrual cramps and Love was a feeble-minded man in the autumn of his age with erectile dysfunction!

#

I will have to sidestep my memory
And claim that I sleep well.
I’ve got to tear out the questionsThat have come looking for a rationale, to get convincing answers.
The questions that, for very personal reasons, have come after the fall of the usual punctuation.

#

Let the mirror explain how beautiful you are!
Remove your dusty pile of words, breathe deeply.
Remember how much I loved you, and how the whole thing turned into an electric shock that could
have caused a huge fire…in an empty warehouse!

***

O BIGODE DE FRIDA KAHLO

Traduzido por José Pinto, a partir da tradução em inglês de Mona Kareem
Original publicado
online em Laghoo.

Vou ignorar o cheiro da lama e a necessidade de repreender a chuva e a chama que desde há muito incendiou o meu peito.
Procuro um contentamento para a situação, que não me deixa perceber os teus lábios como eu queria
Ou varrer as gotas de neblina das tuas pétalas avermelhadas
Ou amansar a obsessão que me consome quando compreendo que não estás perto de mim agora.

E não estarás… Quando sou obrigado a justificar-me ao silêncio castigador da noite.
Age apenas como se a terra estivesse em silêncio, vista à distância, e tudo o que aconteceu entre nós
não tivesse sido senão uma piada que foi longe demais!

#

Que pensas dos dias que passei sem ti?
Das palavras que rápidas do meu pesar se evaporaram?
Dos nós acumulados no meu peito como algas secas?
Esqueci-me de dizer-te que cresci habituado à tua ausência (tecnicamente falando)
E que os sonhos perderam o alcance para os teus desejos
E a minha memória se tem corroído.
Que ainda persigo a luz, não para ver, mas porque o escuro assusta…ainda que nos habituemos a ele!
Bastariam as minhas desculpas? Por tudo que aconteceu enquanto engendrei bons pretextos.

#

A toda a hora a inveja aumentou no peito,
A toda a hora o desespero arruinou o amanhã dos meus negros dias,
A toda a hora eu disse que a Justiça teria cólicas menstruais e o Amor era um homem acéfalo no outono da idade com disfunção erétil!

#

Terei de estancar a memória
E afirmar dormir bem.
Tenho de estilhaçar as perguntas
Que procuram uma razão, para ter respostas sérias.
Perguntas que, por íntimos motivos, vêm com o tombo da pontuação usual.

#

Deixa o espelho dizer-te o quão bela és!
Retira o amontoado poeirento de palavras, respira fundo.
Lembra-te do quanto te amei e de como tudo se tornou eletricidade capaz de atear um fogo imenso… numa arrecadação vazia!

*****

THE LAST OF THE LINE OF REFUGEE DESCENDANTS

You give the world indigestion, and some other problems.
Don’t force the ground to vomit,
and stay close to it, very close.
A fracture that can’t be set,
A fraction that can’t be resolved
or added to the other numbers,
so you give rise to a certain confusion in global statistics.

Being a refugee means standing at the end of the queue
to get a fraction of a country.
Standing is something your grandfather did, without knowing the reason.
And the fraction is you.
The country: a card you put in your wallet with your money.
Money: pieces of paper with pictures of leaders.
Pictures: they stand in for you until you go back.
Going back: a mythical creature that appears in your grandfather’s stories.
Here endeth the first lesson.
The lesson is conveyed to you so that you can learn the second lesson, which is “what do you
signify?”

On the Day of Judgment, they stand naked,
and you swim in the spillage from the cracked sewage pipes.
Barefoot – that’s healthy for the feet
but unhealthy for the ground.

For your sake we will set up rostrums and hold conferences,
and the newspapers will write about you in the appropriate manner.
A new formula has been developed to eliminate recalcitrant dirt,
and at only half the price.
Hurry to buy up half the amount,
because the water shortage is very acute.

Serious negotiations
are underway to provide ashes for free so that you won’t choke,
without affecting the right of trees to live on Earth.
Learn how to avoid using up all your ash allowance in one go.

They taught you how to lift your head up
so that you can’t see the dirt on the ground.
They taught you that your mother is the Earth.
And your father?
You’re looking for him to confirm your lineage.
They taught you that your tears are an extravagant waste of water.
And water … as you know!
Tomorrow,
It’ll be a good idea to get rid of you,
because the Earth would look better without you.

Children are like sparrows,
but they don’t build nests in dead trees.
And the U.N. agency isn’t responsible for planting trees.

Use yourself as a bargaining card,
as a piece of paper with a poem on it, a piece of toilet paper,
a piece of paper for your mother to light the stove
and bake some loaves.

The weather forecast:
The sun is lying in bed because it has a temperature.

The bones, clothed in flesh and then with skin.
The skin gets dirty and gives off a horrible smell.
The skin burns and is affected by supernatural factors.
Take yourself as an example.

Don’t give up hope.
Take heart from the exile from which you are fleeing!
This is intensive training for living in Hell
and in your harsh conditions.
My god, is Hell somewhere on Earth?

The prophets have gone into retirement
so don’t expect any prophet to be sent your way for your sake.
For your sake the observers submit daily reports
and are paid high salaries.
How important money is
for the sake of a decent life!

Abu Said’s felafel are exposed to contamination
and the dispensary is announcing that the inoculation campaign is ending
so don’t worry about your children being contaminated
as long as the dispensary is there.

Live coverage of the proceedings of the beauty contest.
That girl looks good in her bikini,
and that one has rather a large bottom.
Breaking news: Sudden Rise in the Number of Deaths
From Smoking.
The sun is still a source of light
and the stars are peeping in at you, because your roof needs
repairing.

An argument at the taxi depot:
“We don’t have enough passengers to leave yet.”
“But my wife is in labour.”

“This is her tenth pregnancy. Hasn’t she learnt anything? There are reports warning of random population growth. Random – that’s the word I’ve been looking for for ages. We’re living in a random world. We’re multiplying and our children stand naked. Sources of inspiration for film-makers, or for discussion around the table at the G8. We are small people but they can’t live without us. For our sake some buildings have fallen down and some railway stations have been blown up.
Iron is liable to rust. For our sake there are plenty of picture messages. We are actors who don’t get paid. Our role is to stand as naked as when our mothers gave birth to us, as when the Earth gave birth to us, as the news bulletins gave birth to us, and the multi-page reports, and the villages that border on settlements, and the keys my grandfather carries. My poor grandfather, he didn’t know that the locks had changed. My grandfather, may the doors that open with digital cards curse you and may the sewage water that runs past your grave curse you. May the sky curse you, and not rain.
Never mind, your bones can’t grow from under the soil, so the soil is the reason we don’t grow again.

Granddad, I’ll stand in for you on the Day of Judgment, because my private parts are no strangers to the camera.
Do they allow filming on the Day of Judgment?

Granddad, I stand naked every day without any judgment, without anyone needing to blow any last trump, because I have been sent on in advance. I am Hell’s experiment on the planet Earth.

The Hell that has been prepared for refugees.

***

O ÚLTIMO DESCENDENTE DOS REFUGIADOS

Traduzido por José Pinto, a partir da tradução em inglês de Jonathan Wright
Original na coleção de poesia do autor
Instructions Within, 2008.

Dás indigestão ao mundo. E outros problemas.
Não forces o chão a vomitar
e dele fica perto, bem próximo.
Uma fratura que não pode ser aberta,
um pedaço que fica sem resolução
ou adição aos outros números,
logo geras confusão nas estatísticas globais.

Ser refugiado é estar no fim da fila
para ter um pedaço de um país.
Ficar, fez o teu avô sem saber porquê.
E o pedaço és tu.
País: carta que pões no bolso junto com o dinheiro.
Dinheiro: pedaços de papel com fotografias de líderes.
Fotografias: substituem-te até voltares.
Voltar: criatura mitológica que existe nas histórias do teu avô.
Aqui termina a primeira lição.
Para que aprendas a segunda lição, que é “o que significas?”.

No Dia do Julgamento*, eles ficam nus,
enquanto nadas nos canos enferrujados do esgoto.
Descalço – pode ser saudável para os pés
mas não para a Terra.

Em tua honra montaremos tribunas e faremos conferências
e os jornais escreverão sobre ti de maneira apropriada.
Uma fórmula nova foi desenvolvida para eliminar a sujidade recalcitrante
e a metade do preço apenas.
Apressa-te a comprar** metade,
porque a escassez de água é grave.

Negociações sérias
decorrem para providenciar cinzas de borla para que não te engasgues,
sem afetar o direito das árvores viverem na Terra.
Aprende a evitar esgotar toda a tua dose de cinza de uma só vez.

Ensinaram-te a levantar a cabeça
para não veres a sujidade no chão.
Ensinaram-te que a tua mãe é a Terra.
E o teu pai?
Queres conhecê-lo para confirmar a tua linhagem.
Ensinaram-te que as lágrimas são um extravagante desperdício de água.
E água…já tu sabes!

Amanhã
será boa ideia livrar-mo-nos de ti,
porque a Terra seria mais bela sem ti.

As crianças são como pardais,
mas elas não fazem ninhos em árvores mortas.
E a agência das Nações Unidas não se responsabiliza em plantar árvores.

Usa-te como cartão de descontos,
pedaço de papel com um poema, pedaço de papel higiénico,
pedaço de papel para a tua mãe acender o fogão
e fazer pães.

Previsão do tempo:
o sol está de cama com febre.
Os ossos, vestidos de carne e pele.
A pele fica suja e emana um cheiro horrível.
A pele arde, afetada por forças sobrenaturais.
Toma-te como exemplo.

Não desistas da esperança.
Leva o coração do exílio, donde estás a fugir!
Isto é treino intensivo para viver no inferno
e nas condições mais cruéis.
Meu deus, é o inferno algures na Terra?

Os profetas reformaram-se
por isso não esperes que o teu venha por ti.
Por ti,
por ti os monitores trazem relatórios diários
e recebem os seus altos salários.
Quão importante é o dinheiro
para uma vida digna!

As almôndegas*** do Abu Said estão expostas a contaminação
e a farmácia anuncia que a campanha de vacinação está a acabar,
por isso não te preocupes que as tuas crianças fiquem contaminadas,
enquanto a farmácia ali estiver.

Reportagem em direto dos preparativos para o concurso de beleza.
Aquela miúda fica bem de biquíni,
a outra tem um rabo gordo.
Notícia de última hora: Aumento Súbito do Número de Mortos Devido ao Tabaco.
O sol ainda é uma fonte de luz
e as estrelas espreitam pra ti,
porque o telhado precisa de reparação.

Discussão na praça dos táxis:
“Não temos passageiros suficientes para partir”.
“Mas a minha mulher trabalha”.

“É a sua décima gravidez. Ainda não aprendeu nada? Há relatórios a alertar para o aumento da população. Acaso – é a palavra que procurei durante anos. Vivemos num mundo ao acaso.
Multiplicamo-nos e as nossas crianças permanecem nuas. Fontes de inspiração para realizadores de cinema ou para discussão à volta da mesa do G8. Somos pequenos, mas eles não vivem sem nós.
Por nós, edifícios caíram e estações de comboio floresceram. O ferro é certo que enferruja. Por nós, há imensas mensagens com fotografia. Somos atores e não nos pagam. O nosso papel é ficar tão nus como quando as nossas mães nos deram à luz, a Terra nos deu à luz, os noticiários nos deram à luz e os relatórios infindáveis e as terras à volta dos acampamentos e as chaves tem-nas o meu avô. Meu pobre avô, ele não sabia que as fechaduras foram mudadas. Avô, que as portas abertas com cartão digital te amaldiçoem e que o esgoto que passa ao lado da tua campa te amaldiçoe. Que ofirmamento te amaldiçoe e não chova. Não, os teus ossos não crescem do solo, que é a razão pela qual não crescemos de novo.

‘vô, estarei por ti no Dia do Julgamento,
porque as minhas partes íntimas não são estranhas para a câmara.
Eles deixam filmar no Dia do Julgamento?

‘vô, ando nu todos os dias, sem julgamento, sem alguém triunfar,
porque fui deslocado em antecipação. Eu sou a experiência do inferno na Terra.
O inferno que foi preparado para os refugiados.

* A expressão, utilizada várias vezes na obra de Ashraf Fayadh, tem um sentido teológico, mas apela, ao mesmo tempo, ao dia do banimento, isto é ao dia em que os refugiados são banidos das suas terras e se veem obrigados, por força de condições externas cruéis, a ir para os acampamentos preparados para os receber, ditos “campos de refugiados”.
** Tradução para a língua portuguesa do verbo buy up, que remete à gíria financeira, sendo usado nos negócios, para designar a compra de tudo o que há em stock ou o máximo possível, especialmente quando o preço está mais baixo.
*** Almôndegas árabes ou falafel, na língua inglesa.

Para a petição de Amnistia: Free Ashraf, poet facing execution in Saudi Arabia (Amnesty International UK)

Ashraf Fayadh

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *