Vidoiros I

Vidoiros I

0 comentários 🕔10:00, 04.Fev 2016

Vidoiro” é a última obra publicada até agora de Neno Escuro, autor tanto da música como das imagens. Nas suas palavras, trata-se de “um projeto de experimentação sonora e visual enraizado na procura de uma linguagem híbrida entre os dois âmbitos, mas que se abre também ao campo literário —especialmente o poético—, e se concretiza na criação de peças visuais, sonoras, concertos performáticos, projeções e visuais ao vivo.”
Na Palavra Comum, sempre aberta aos novos caminhos que aparecem sem cessar, encontramos nesta obra um intenso motivo de diálogo com a poesia, do que entregamos aqui uma primeira parte, através dos textos criados explicitamente para “Vidoiro” por Alfredo Ferreiro, Tati Mancebo, Ramiro Torres e Ramón Neto.
Vai o nosso agradecimento expresso a Neno Escuro por permitir a reprodução desta sua obra aqui e por facilitar estes diálogos que, talvez, nos transportem para um outro lugar já existente desde sempre à nossa volta. E, evidentemente, animamos ao público a conhecer as demais obras deste autor publicadas até agora, tão prezadas para nós!

*

ALFREDO FERREIRO

VIDOIRO

Como o mar e a terra se abraçam
assim no monte a névoa e as pedras.
Ela cavalga sobre o seu lombo,
elas discorrem sob o seu ventre,
ela penetra nas suas fendas,
elas banham-se no seu leite.
É uma pausada procela
que caminha sobre um
assobio que dança,
é a existência no primórdio,
é o que acontece após o fim.

Arteijo, 28/I/2016. Baseado no vídeo do mesmo título de Neno Escuro.

*

TATI MANCEBO

HISTÓRIA

Atrás cantavam
Atrás sabiam
Atrás dançavam
Atrás queriam

Atrás chegavam
Atrás viviam
Atrás marchavam
Atrás volviam

*

RAMIRO TORRES

VIDOIRO

Para o Rafa, sempre a caminhar.

Ardem os signos na
irrigação do invisível
entre os sons da luz,
transportados para
a absoluta consumação
onde se entranha o saber:
imóveis no obscuro,
abrimos os olhos sob
a espuma do tempo,
embriagada a percepção
com animais dormidos
a arfar desde o fundo,
viageiros na estranheza
do vivo a florir no uno.

Janeiro de 2016.

*

RAMÓN NETO

Vidoiro (negativo)

Canto maior a intensidade luminosa
maior é o escurecemento dos sales de prata.

Inversión tonal. Onde premen
as polpas medran pálpebras.

Enfoque e nervio nunha mesma uva
dilatan o ventre da rocha.

Lágrima. Nada máis que
irritación na córnea a causa do ar frío.

Alguén despeza o seu
escafandro no círculo glaciar.

Descenso en apnea no ollo de boi.

Son as zonas que apenas reflicten a luz
as que se acaban transformando
nas partes claras ou transparentes da emulsión.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *