Linha de poemas sem linhas (i)

0 comentários 🕔12:30, 14.Mar 2016

Vejo nos olhos o caminho da mão
um doce som que rasga a pele – estavas
de lado
num troço de estrada sincero.
Um negro vazio esperava os que gritam
de lado –
Afluem as pedras, como se faladas fossem
Um grave grito da pele nos olhos
Como se…
“diz-me a quem vens”
“trago-te a pera, que é a morte,
que é a pele do som que se grita
do lado”
Cai uma lágrima na mão do caminho
rasgando uma pedra sincera na linha
“soube-me a ferro”
“soube-me a morte”
“até já”

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *