Linha de poemas sem linhas (ii)

0 comentários 🕔13:00, 21.Mar 2016

A cama é um corpo onde guardamos o corpo
um copo de onde bebemos os dias
onde afogamos as noites
Nas luzes que entram pelos estores
percebem-se olhos que atentos nos espreitam
Há uma imagem que regista os corpos
em pleno abraço da casa
O corpo é um copo por onde te bebo o cosmos
como num universo só nosso
Quando as luzes faltam, cantam as velas
sentem-se os dedos que são olhos
imagens que sonham na vida

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *