Pralaya

Pralaya

1 comentário 🕔11:15, 28.Mar 2016

Alguém mata tua inspiração na espiração
e tu ficas zangado, ó furioso ego.
Tu matas tuas sensações dentro das sensações
e esse alguém se realiza
através das tuas rígidas normas,
ó meu filho em confronto
Contigo mesmo.

Sendo assim aquele renuncia a matar
e ganha na devoção ao amor
as ausências de apegos místicos.
O paraíso é uma simples flor
por ela morrera um pequeno príncipe.

A ignorância nesse transe se desvaneceu
e veios ocultos ficaram à intempérie
Revelada agora será a conexão
que ao nascer esqueceras.

Fala o inútil por falar
na mente fixa
as palavras são proibidas
.

Sobre o autor / a autora

Artur Alonso Novelhe

Artur Alonso Novelhe

(Galiza)

1 comentário

  1. 🕔 18:55, 29.Mar 2016

    António Pinho

    No mais profundo da mente, se desvanece a essência do verdadeiro ser…!!!

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *