Linha de poemas sem linhas (iv)

0 comentários 🕔10:10, 04.Abr 2016

A velocidade de um corpo obedece aos olhos
que cospem chamas de cores, riscos incertos da língua
há quadros que espelham nos olhos
uma certa ciência incorrecta que afirma a possibilidade de sonho
Quanto mais olhas, mais rápido é o sonho –
as Pinceladas a dedo marcadas no rosto
um foco de Luz lambido nos olhos
as Chamas de cores espelhadas no Lume

A velocidade do fogo revolta-se perante os olhos
e os sonhos rebelam-se com ele, como num espelho
quebrado, incorrecto, afirmando coisas impraticáveis
lendas por pintar, palavras por sentir,
olhos por correr, curvas por dizer,
um som estrondoso que nos une à noite
em pleno dia

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *