Linha de poemas sem linhas (v)

0 comentários 🕔10:45, 11.Abr 2016

Ao rapaz bino

Trazíamos a mala às costas e uma máquina fotográfica nos ombros
todas as pedras, e os sulcos entre elas – carregados de plantas secas –,
chamavam os nossos nomes
Deslizávamos enquanto subíamos o outeiro sem dominar a gravidade
“como podemos ser nós nesta sombra? Como podemos descer
quando subimos?”
As sombras, tatuadas num cenário monocromático, diziam mais
sobre o caminho, uma busca involuntária, uma procura de nada
um deslize repentino que nos faz bater com a cara na verdade
Trazíamos a mala aos ombros e máquina nas costas
ficou a imagem que a terra não pôde ou não quis gravar nas pedras

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *