<em>África em Sinfonia Solar</em> (e IV)

África em Sinfonia Solar (e IV)

0 comentários 🕔11:20, 14.Abr 2016

NOTA DE PALAVRA COMUM: agradecemos a Xosé Lois García a sua vontade de publicar nesta revista o seu livro “África em Sinfonia Solar”, com poemas e desenhos da sua autoria, editado em papel em 2005, promovido desde o Centro Cultural Luso Moçambicano de Lisboa, e dificilmente encontrável a dia de hoje.

Cada poema vai acompanhado do desenho com o que dialoga.

***

10

Sempre breves e delicadas
em seus gestos.
Grinalda ou açucena,
em almas perfumadas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

***

11

Patética violência sobe desde a areia;
o fogo do batuque acorda ao caçador,
vozes de mistério em olhadas solares
acrescentam os nomes em cada flor.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

***

12

Ó África! Eterna e dançarina
vestida com blusa de granizo;
assim transitas sobre o mito
quando os olhos em intensidade
bebem sonido de mágico corá.
Pela pele do corá eu transito
e na África toda assim a respiro.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Sobre o autor / a autora

Xosé Lois García

Xosé Lois García

(Galiza-Catalunha) Nascido na Galiza, Xosé Lois García é formado em Geografia e História pela Universidade de Barcelona (Catalunha), cidade onde atualmente vive e trabalha. Articulista, ensaísta, conferencista, tradutor e poeta, é considerado uma das mais importantes vozes da poesia galega contemporânea. Publicou na Espanha antologias da poesia galega, portuguesa, brasileira, angolana e moçambicana, entre outras, além de importantes estudos sobre a simbologia do românico em Portugal e Galiza. Tem vários poemários, dentre os quais se destaca “Tempo precario”, no qual o autor dá voz a seu heterônimo, Pero Bernal, trovador galaico-português.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *