Nova linha de poemas sem linha (i)

1 comentário 🕔11:30, 09.Mai 2016

fotografia de Nuno Mangas-Viegas

Há manchas que, quando vistas de perto,
são estradas circulares, circunvalares ao caminho de um sonho
um passado guardado de medos, uma clareza de espírito aberto.
Onde a prisão se faz para os pés
os passos surgem como espectros, que simbolizam folhas
escritas à mão por alguém na distância, por uma memória infalível.
Onde passou uma palavra a voar, rente ao ouvido esquerdo,
há um eco gravado no semblante do sonhador, ou talvez linhas
rascunhadas por sombras de medos,
liberdades que falam de sonhos.
Na mancha não ficam receios, é apenas segurança das paredes,
um olhar mais arcaico da noite, caminhos para os passos que seguem,
que ecoam nas nossas memórias como hoje.

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

1 comentário

  1. 🕔 9:59, 10.Mai 2016

    Amilamia

    Gosto do poema e mais da fotografía. Parabens

    Responder comentário

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *