Nova linha de poemas sem linhas (III)

0 comentários 🕔10:00, 30.Mai 2016

Foto de Nuno Mangas-Viegas, após leitura do poema de João Sousa

Ouviam-se pontos cintilantes
quando os olhos se cruzavam
em furiosa melancolia
espelhada em folhas cortantes
Os olhos diziam coisas graves
que pesavam em todos os membros

Unissem-se os pontos
e frases saltariam da folha
cortando os membros, partindo os óculos
furando as estrelas
penetrando o tempo

Um desenho tosco sobraria
um violento, ou nem tanto,
encosto no que vai cá dentro
um regresso ao que não sai de cá
uma aproximação à letra primordial
ao primeiro espelho

Da voz das árvores sabiam-se os sonhos
Os sonhos saiam da voz dos bosques
das florestas dos pomares

E a figura brilharia
quase sorrindo contra as nossas caras
dando razão à criança
na sua insensatez profética

E eu aqui
jurando lealdade ao palpável
ansiando pela segurança da matéria
fingindo um gosto pela ciência
falando de pessoas
traçando linhas
Eu, a minha maior prisão,
uno os ponto cintilantes
e adormeço em seguida.

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *