Nova linha de poemas sem linhas (VI)

0 comentários 🕔09:00, 25.Jul 2016

Estávamos presos
na teimosia de existir
entre o deve de ser e o ser-se
mas um vento persiste e varre-nos a venta
e sopra-nos o pelo da venta pela vereda abaixo
não seríamos nada
não sendo nós, presos
no cumprir de ser e a vontade de não ser

portas fechadas a duas chaves
a chave de um membro
a chave de um espectro
caminhos e várias ramificações
com destinos diversos
todos sem saída
todos com entradas
para caminhos sem saída

Sobre o autor / a autora

João Sousa

João Sousa

(Portugal) Redactor, produtor, director, editor e músico na empresa A Besta, Músico na empresa a-nimal e Músico na empresa O Poema (A)Corda

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *