A rebelião dos sacos de lixo

A rebelião dos sacos de lixo

0 comentários 🕔12:00, 05.Dez 2016

Personagens

Saco de lixo 1
Senhora com cãozinho
Agente 1 / saco 2
Agente 2 / saco 3
Corredor / saco 4
Presidenta da câmara / saco 5
Capitão da polícia / saco 6

O palco é um parque convertido em depósito de lixo, com sacos de lixo espalhados pelo chão, principalmente na metade final, para o fundo. Os sacos de lixo hão de ser de preferência negros.

O palco estará quase às escuras, exceto por algum foco que ilumine, principalmente, a metade dele que cai no lado do público, enquanto que a outra metade deve estar na penumbra ou até ás escuras.

De repente, um saco de lixo ergue-se. Pode-se notar a sua forma humana, com braços e pernas. O saco do lixo aproxima-se do centro do palco e espreguiça.

SACO 1: Uahhhhh! (esticando). Que soneca tão agradável! E agora a jantar!

De repente, sentem-se uns passos. Também se ouvem uns ladridos de cão pequeno. Aparece por um lateral uma senhora a passear o seu cãozinho. O cão será falso. A senhora puxa dele para o centro do palco. O animal opõe-se ficando parado, mas a senhora conseguirá arrastá-lo. Entretanto, o saco de lixo fica imóvel, sentado, no centro do palco.

SENHORA: Pínki (ao cãozinho). Vem, doidinho, não sejas teimoso.

O cão continua a se resistir, mas a senhora consegue arrastá-lo e chegam à altura do saco de lixo que permanece imóvel. E mesmo quando o cão chega á altura do saco de lixo, este salta de repente sobre ele e devora-o dum bocado. A correia cai no chão e ouve-se um sonoro arroto.

Entretanto, a senhora ficará paralisada, presa do medo. Mas só uns segundos, a seguir, largará um alarido e correrá para o lateral pelo qual entrara, saindo do palco.

O saco, pelo seu lado, vai-se erguer tranquilamente do chão e irá reunir-se com o resto dos sacos de lixo na metade final do palco.

SACO 1: Nota-se que esse cão estava bem alimentado. Embora fosse tão pequeno, tinha muita carne.

Assim que o saco de lixo sente junto com os outros sacos, entre os quais passará desapercebido, entrará no palco novamente a senhora do cão, cheia de histeria, acompanhada por dois agentes da polícia que levam uma lanterna cada um deles.

SENHORA: Juro-lhe, agente, que um desses sacos se lançou sobre o meu Pínki e comeu-o de um bocado, sem mastigar nem nada (diz enquanto acena para o centro do palco, onde já quase chegaram, mas ali não há nada).

AGENTE 1: Vamos ver, senhora, e não será que o seu Pínki, que deve ser brincalhão como todos os cães, não se meteria ele sozinho num saco para brincar ou procurar comida e agora não pode sair?

SENHORA: Não, agente, não…

Ambos os agentes e a senhora já estão no centro do palco. Nesse momento, o segundo agente alumia com a sua lanterna para o chão e encontra a correia do Pínki ali deitada.

AGENTE 2: Suspeitoso, muito suspeitoso (diz enquanto mostra a correia do cão ao seu companheiro).

AGENTE 1: Tu vês muitos filmes, não vês?

Nesse momento chega um homem a correr, em fato de treino.

CORREDOR: Deixem passar, por favor.

Tenta evitar os polícias e a senhora. Para isso desloca-se para os sacos do lixo. Grita. Cai, perde-se entre os sacos. Um deles acaba de o engolir.

AGENTE 1: Está bom? Lastimou-se? (ao corredor).

Ouve-se de novo um arroto. Do corredor não há rasto nenhum, porque caiu entre os sacos de lixo, mas foi engolido por um deles.

AGENTE 1: (ao agente 2). Vai olhar e dá-lhe uma ajudinha a esse senhor, se calhar até se magoou.

AGENTE 2: Não, eu vou pedir reforços. Isto é um ataque de zumbis (O agente 2 tira o seu transmissor e começa a pedir ajuda). A todas as unidades, temos um 4-3-4, ou se calhar é um 8-0-3… Bem, não sei, a questão é que necessitamos de reforços. Repito, necessitamos de reforços.

AGENTE 1: Não sejas paranoico.

O agente 1 mete-se entre os sacos.

AGENTE 1: Senhor, está bom? Escuta-me? Senhor?

Ouve-se um novo arroto. O agente 1 desaparece. É engolido por um saco de lixo, daí o arroto.

Ao agente 2 cai-lhe o transmissor para o chão. Pega na pistola. Treme como um pudim.

AGENTE 2: Sacos de lixo, estão arrestados. Têm direito para guardar silêncio. Têm direito a um advogado. Se não puderem pagá-lo, terão um advogado oficioso…

Enquanto vai dizendo tudo isto, com a pistola fora do coldre, o agente mete-se também entre os sacos de lixo. Logo desaparece da vista. Ouve-se um novo arroto. Também ele é engolido.

Três sacos erguem-se.

SACO 1: Veem como eu tinha razão? Aqui há jantar para todos.

SACO 2/AGENTE 1: Certo, mas este polícia tinha o colesterol um bocadinho alto.

SACO 3/CORREDOR: Pelo contrário, o meu era todo fibra. Não gosto de comer desportistas, deixam-me faminto…

SACO 1: Está bem, não se queixem, que eu só comi um cão miudinho.

SACO 4/AGENTE 2: A mim este polícia provoca-me gases… (e larga um arroto).

Entretanto, a dona do cão foi testemunha muda da conversa entre os sacos de lixo. Mas nesse instante reage e fala com o saco 1. Começa a bater nele com o seu bolso.

SENHORA: Devolve-me o meu Pínki, devolve-me…

SACO 1: Senhora, comporte-se, por favor.

A senhora ainda bate no saco duas vezes mais com o seu bolso. Mesmo então chega a presidenta da câmara com o capitão da polícia.

CAPITÃO: Tudo bem, senhora?

SENHORA: Sim, mas quero que este lixo me devolva o meu Pínki.

SACO 1: Guau, guau.

SENHORA: Pínki!

O capitão aproxima-se com cautela, esquivando os sacos de lixo; pega na mão dela e atira dela até a retirar da zona dos sacos e a colocar ao lado da presidenta da câmara.

PRESIDENTA DA CÂMARA (ao saco 1): Que reivindicações têm?

SACO 1: Só queremos comer.

PRESIDENTA DA CÂMARA: Desde quando os sacos de lixo se alimentam?

SACO 1: Desde que vocês, os humanos nos criaram. Não estão cientes de tudo o que atiram para o lixo. Toneladas e toneladas de desperdícios em depósitos de lixo. Aí vocês deixam lá tudo e, se calhar, o enterram, para que não se veja. Portanto, saibam que depois de tanto tempo a se desfazerem dos vossos desperdícios, nós cobramos vida. Vocês criaram-nos…

PRESIDENTA DA CÂMARA: Isso é impossível. Nós não fizemos tais coisas. Somos os amos do planeta.

SACO 1: Isso é o que vocês creem.

PRESIDENTA DA CÂMARA: Aliás, como fedem vocês. É que ninguém vos explicou o que é um duche?

SACO 1: Senhora, somos mesmo lixo.

Nesse momento, todo o palco fica às escuras. Não se vê nada. Apenas se ouvem três arrotos consecutivos. Os três personagens são engolidos por três sacos vazios. Prosseguirá a escuridão.

SACO 2/AGENTE 1: Bom proveito.

SACO 1: Obrigado.

SACO 5/PRESIDENTA DA CÂMARA: Obrigada.

SACO 6/CAPITÃO: Obrigado.

Regressa a luz. Os seis sacos são de novo os seis personagens que foram previamente engolidos, ainda que a vestirem um saco plástico por cima das suas roupas (deixarão sair a cabeça, os braços e as pernas. O saco 1 é agora a senhora do cãozinho, mas esta caminha sobre quatro patas e ladra).

AGENTE 1: Já está. Agora o planeta é nosso.

PRESIDENTA DA CÂMARA: E eu vou ordenar, que é do que mais gosto.

AGENTE 2: Ah, não, que eu sempre quis ordenar também. Deixa-me a mim, deixa-me a mim.

PRESIDENTA DA CÂMARA: Não repliques.

CORREDOR: Parecem humanos.

SENHORA (fala meio ladrando): Tens razão, arf, arf, tens razão… Auuu (uivando).

CAPITÃO: Não discutam. O importante é que o lográmos. Como sabia eu que aquele velho ditame humano era totalmente certo.

TODOS JUNTOS: Que ditame?

CAPITÃO: Aquele que diz: “Somos o que comemos”. Portanto, se os humanos comem lixo, são lixo; mas, se nós comemos humanos, somos… (para o público)

PRESIDENTA DA CÂMARA (para o público, avançando até à beira do palco): Por favor, não nos confundam com os zumbis. Nós cheiramos muito pior do que eles.

FIM

Sobre o autor / a autora

Xavier Frias Conde

Xavier Frias Conde

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *