Galician Power, de Xosé Iglesias e homenagem poética à centola

0 comentários 🕔11:20, 23.Dez 2016

Homenagem à centola, na véspera da noite de Natal

Da nasa ao ceo

Non sabía se eras centolo ou –tola, pero andabas tan arrichado polo mundo!
Tiñas un fado punxente como risco á volta do arrecife
co teu aire de nebulosa crustácea
un caldiño blindado en rosa dura coa vida xa resolta
aí neses fondos polos que rebulías feito un
petróglifo
con patas
pensando euquéseioqué
coas túas cousas centolas
veludas, bicudas, repoludas
nesa cabeciña que vale o que pesa.

Meu rei –eras rei–, será a túa unha existencia gloriosa
da nasa ao ceo
pasando polo sistema dixestivo dun sapiens.
Que honor, invertebrado!
Pois non sei eu que che diga.

Só agardo que tras esa foto
na que electrizas coma unha neurona peluda
non vaias dereito ao estómago
de calquera imbécil sen estómago
que nos fai emigrar, pasar frío nas casas
esmolarlle a quen nos rouba.
En suma: a calquera que poida pagarte
e te devore sen moito aquel nunha cea chea
de autocompracentes sumas.

Véxote cosmonauta de abismos mellores,
así cho digo.

Robotiño articulado, maja brachydactyla
a ver que polbo che metía o dente a ti!
Contigo no horizonte, non lle darías envexa
ao mesmo astro rei?

Cáncaro de lique, fucsia de albariño
cousiña brava de ría, que me río, ris
cacho de peito de serea, amor de Drake
anasa que te anasa…

Da nasa ao ceo, si,
quen o diría, meu rei,
pasando polo sistema dixestivo
dun –disque, a poder ser– sapiens.

Estíbaliz Espinosa (Decembro de 2016)

***

Para o Xosé e o Alfredo.

Tens um céu convulso
em cada parte do corpo,
uma explosão iminente
percorrendo o invisível
com a sua força desnuda,
enquanto o saber derrama
em sonhos o teu espasmo
iniciático sobre as mãos:
reconhecemo-nos num
lugar anterior ao tempo,
caídos os relâmpagos
dentro dos nossos seres
desprendidos boca abaixo
das formas até dançar
no vazio primordial,
linguagem transcendida
a bater no obscuro do vivo.

Ramiro Torres (Dezembro de 2016)

***

Como o mar é frio
ao entrar em nós
num intercâmbio
de sentimentos ósseos.
Alçada a centola ao vento
semelha o coração que nos falta,
um bicho que nos caminha
pelos corredores da vida,
um animal roubado ao nosso peito,
esquecido lentamente por nós
e despejado há muito do centro.
Há quem diz que a centola
é um monstro belíssimo
alimentado pela ausência.

Alfredo Ferreiro (Dezembro de 2016)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *