<em>Machado de Assis e a mundana comédia. Cinco peças teatrais</em>, edição de Carlos Paulo Martínez Pereiro e Alva Martínez Teixeiro

Machado de Assis e a mundana comédia. Cinco peças teatrais, edição de Carlos Paulo Martínez Pereiro e Alva Martínez Teixeiro

0 comentários 🕔10:00, 23.Fev 2017

Desde a Palavra Comum agradecemos a Carlos Paulo Martínez Pereiro e Alva Martínez Teixeiro as facilidades concedidas para a publicação destes fragmentos introdutórios do livro “Machado de Assis e a mundana comédia. Cinco peças teatrais“, publicado na Biblioteca-Arquivo Teatral Francisco Pillado Mayor da Universidade da Corunha, que comemoram os seus vinte anos de existência (1997-2017) dando à luz este volume número 72.  O livro é o resultado da colaboração entre o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonoas e Europeias (CLEPUL) e o Grupo de Investigación Lingüística e Literaria Galega (ILLA).

***

[Fragmentos do texto introdutório de Alva Martínez Teixeiro e Carlos Paulo Martínez Pereiro: «Uma discutida magia da ausência – Machado de Assis e o teatro da mundana comédia»]

Resulta paradoxalmente fácil e difícil dissertar sobre uma tão invulgar figura como é a do extraordinário escritor e não menos importante intelectual brasileiro Joaquim Maria Machado de Assis (1839-1908), que, diga-se antes de mais, tem como parte essencial da sua herança o fascínio que a vários títulos exerce, devido a que, como sintetizara um dos seus biógrafos, Daniel Piza, “enfrentou muitos preconceitos de sua época: o preconceito racial, como um mulato escuro que viveu 49 dos 69 anos num Brasil escravocrata; o preconceito social, como um epiléptico de origem muito pobre que tinha grandes ambições literárias; e o preconceito intelectual, como escritor que adotou linguagem concisa e cristalina, rejeitou o otimismo e a religião e jamais aderiu a modas estéticas”.

Esse paradoxo explica-se, aliás, por ser considerado um dos ‘deuses’ literários dos leitores politeístas que redigem as páginas introdutórias a este livro, mas também porque, por esse mesmo divinal caráter, não é preciso seguir totalmente, em palavras de Marco Lucchesi, “o Gênesis do romancista e pintor Cornélio Penna, segundo o qual no princípio era o nada; depois apareceu Machado; e depois foi o nada, outra vez…”.

Na verdade, nem tanto, pois, apesar de razoavelmente ‘machadólatras’ e apaixonadamente ‘machadófilos’, mais do que frivolamente ‘machadoclastas’, nesta breve e condensada introdução, de início e antes de abordarmos a vertente teatral do autor, pretendemos pôr em relevo – com intuitos analítico-descritivos e avaliativo-compreensivos – o invulgar contributo ficcional machadiano numa dupla perspetiva: tanto no que diz respeito à complexidade técnico-literária que sustém uma propositadamente ambígua e hesitante discursividade narrativa – ora de teor satírico ou humorístico, ora em modo filosófico ou realista-outro –, quanto no relativo à radiografia historicamente emblemática, testemunhal e datada de uma cidade do Rio de Janeiro que, de capital do ‘reino unido’, transita para imperial e republicana, e que, no que diz respeito ao complexo retrato da aristocracia e da nascente burguesia carioca (e não só), se apresenta doublé em (re)presentação da complexidade permanente do humano.

………………………

O nosso genial autor (des)considera a facilidade da adaptação aos usos e gostos maioritários do público (in)existente também na sua escrita teatral, nessa “arte destinada a caminhar na vanguarda do povo como uma preceptora” – Machado dixit –, por muito que nela quase desapareça o princípio de ‘indeterminação’ tão caraterístico da sua melhor e maior ficção. De facto, Hélio de Seixas Guimarães, referindo-se à possível generalização à totalidade da sua obra do topos crítico de, na sua narrativa de maturidade, Machado não ter feito concessões aos leitores, considera que, “[s]e não houve concessão no sentido de condescendência, violação de convicções pessoais ou barateamento de idéias”, resulta incontornável o fato de Machado de Assis sim ter cedido “ao gosto e expectativa do público leitor que ele imaginava e/ou desejava para sua obra”, assim como “que essa atenção e sensibilidade ao público seja um dos pilares da grandiosidade dessa mesma obra”.

Diríamos que, adaptando ad hoc a paradoxal afirmação machadiana de que ‘a verdade é essa, sem ser bem essa’, sendo o seu teatro por via de regra moral(izante), nele ‘a verdade (sim) é essa’ que se expõe às claras. De facto, no exercício da comédia, o autor prescinde das “rabugens de pessimismo” e evita instrumentos como “a pena da galhofa e a tinta da melancolia” à Brás Cubas, assim como mitiga – e muito – a ambivalência e a indefinição, o relativismo e o ceticismo, a dúvida e o contraste que perpassam o seu mais atual e vigoroso discurso prosístico.

No entanto, é preciso e conveniente concordar, por um lado, com a reivindicação de Cecília Loyola – em concreto para a peça Lição de botânica e, em geral, para o conjunto do teatro machadiano – da “sua vocação de palco, justamente aquela que quiseram negar-lhe”; por outro lado, não seria menos proveitoso e pertinente subscrever a sua (re)visão dúplice naquilo que se refere à avaliação criteriosa da produção e intervenção teatral de Machado, prolongada no tempo, quando afirma que “o reconhecimento do autor, enquanto dramaturgo, se dá nos palcos de Ruggero Jacobbi e Ziembinski, por exemplo, e se substrai nas críticas de Décio de Almeida Prado e Sábato Magaldi, referências todas elas, obrigatórias no que diz respeito à história do teatro brasileiro”.

Enfim, Machado de Assis manteve com o teatro uma relação intensa, interventiva e diversificada, ora como iniciador, inspirador, incitador e mesmo intercessor da atividade teatral, ora como autor, tradutor, teórico, crítico e até censor do Conservatório Dramático. Essa teimosa (pre)ocupação teatral, que o acompanha de maneira sinuosa durante toda a sua vida, atinge uma intensidade e exclusividade especialmente concentrada entre 1859 e 1867; anos de formação nos quais, graças à sua relevante, embora irregular, produção literária e à sua não menos notável ação reflexivo-cultural, adquire um prestígio que, no futuro e durante o seu percurso vital, irá crescendo até converter Machado num dos maiores escritores e mais influentes intelectuais brasileiros (e não só).

Apesar dessa contundente realidade, a atividade teatral deste nosso (paradoxal) contemporâneo tem sofrido durante muito tempo – e, em menor grau, ainda hoje – uma secundarização valorativa e uma desconsideração crítica que, muito a pouco e pouco e com não escassas objeções, têm sido mitigadas nos últimos tempos. Grosso modo, poderíamos dizer que, face ao unânime juízo positivo do seu acurado exercício reflexivo e crítico sobre o teatro brasileiro da sua época, a respeito da, com certeza, irregular produção teatral do autor de Memorial de Aires, tem-se questionado, à maneira de um suposto dernier mot, tanto a sua efetiva entidade de espetáculo, quanto o seu interesse dramático – este último, em todo o caso, só reconhecido dentro dos redutores parâmetros da escrita estritamente literária e no âmbito de um estilo conciso em que, evidenciando-se a marca pessoal, não se exclui nunca a profundidade.

………………………

Machado, Machado de Assis e a mundana comédiacomo sempre com uma nítida consciência teórico-filosófica e artística, situa-se explicitamente a favor do centro nevrálgico de difusão e encenação do renovador, moralizador e civilizador repertório realista em âmbito carioca, o Teatro Ginásio Dramático, inspirado já desde o nome no, em traços largos, equivalente Gymnase Dramatique parisiense. Este teatro do bando realista colocava-se em clara e frontal oposição ao centro referencial da dramaturgia romântica, o Teatro S. Pedro de Alcântara, dirigido pelo mítico ator e homem de teatro João Caetano. A concorrência da nova tendência com a já ‘irrealizante’ dramaturgia romântica se estabelecia, de maneira fundamental, com a oposição da exaltação do individual e o nacional, da primeira, à incorporação da moral aplicada aos valores da camada social burguesa e da família, da segunda.

Na denominada “comédia moderna” e nos chamados “dramas de atualidade”, a utilidade transcendente, exemplar e de feitio didático para a sociedade, atinge um papel fundamental. Ao adotar, com efeito, os modelos dos ‘provérbios dramáticos’ mussetianos – e, a partir de meados da década de 1860, também sob o influxo antiutilitarista das conceções de Madame de Staël –, o autor carioca matiza estas caraterísticas gerais e faz com que se desviem para uma comicidade mais amável, para um humorismo mais ligeiro e elegante, assim como para uma desbotadura substancial da lição moral e do didatismo social, no espaço do lúdico e do muito levemente edificante, distanciando-se do ‘engajamento’ do modelo parcialmente alternativo que de maneira categórica, mas teórica, defende: o da ‘alta comédia realista’.

Não obstante, apesar das suas – por vezes, discutíveis – diferenças, é evidente que os dois modelos ‘da humana comédia’ pretendem um mesmo objetivo fundamental: o do ‘bom gosto’ e o do bons sens de matriz augieriana; coisa que, aliás, é compreensível, ao não ser menos verdade que uma e outra modalidades dramáticas participam do mesmo realismo burguês de base e de uma equivalente representação da ética moralizante e da estética convencional da alta sociedade contemporânea. Neste sentido, quer numa personagem concreta ou repartido entre várias, quer na celeridade dos contrastes dialogais, o discurso teatral vai edificando a sombra didática do muito caraterístico raisonneur da comédia realista, de que, como esperável, se serve o autor para transmitir ao auditório a lição moral e as ideias civilizatórias que, para ele, dão sentido a um teatro burguesmente comme il faut.

………………………

Os cinco textos teatrais que se editam no volume são o resultado de uma escolha que, da parte dos editores e à maneira do poeta português Mário Cesariny, pretende ser “tendenciossíssima”, obedecendo a um critério parcial – isto é, partielle et partial –, mas que, do mesmo modo, quer ser paradigma do melhor teatro machadiano – também daquele com uma maior potencialidade cénica –, coincidindo tanto com a opinião tendencialmente comunal, quanto com os juízos de valor mais consensuais.

É assim que as cinco peças teatrais selecionadas, produzidas em e representativas da dramaturgia machadiana ao longo de mais de quatro décadas, aspiram a representar as diversas tipologias da comédia da altura que foram cultivadas por Machado de Assis: isto é, bref, a ‘comédia fársica’ Quase ministro (1862), a ‘comédia mítico-alegórica em verso’ Os deuses de casaca (1864-1865), a ‘comédia histórico-ficcional’ Tu só, tu, puro amor… (1880) e as ‘comédias burguesas’ Não consultes médico (1896) e Lição de botânica (1905).

………………………

Desconsiderando a ideia de que ao nosso escritor lhe sucedesse a sua própria sombra, qual escriturais Dr. Jekyll e Mr. Hyde, podem concordar connosco em que uma hipotética limitação a respeito da sua dramaturgia, como procuramos pôr à vista nestas heteróclitas páginas, restringe uma realidade escritural muito mais variada e complexa, na qual algumas das suas peças de teatro devem ser ponderadas objetivamente como interessantes, se não magníficas, mostras de elegante comicidade e, nos dois sentidos possíveis da palavra, ‘parcial’ crítica e representação da moral e dos valores da categoria social hegemónica, tanto na época do Segundo Império de D. Pedro II, como no advento e nos primeiros lustros da República no Brasil.

Fugindo da ilusória aspiração de confluência do real e do representado, que Machado defendia no modelo reformador da alta comédia realista – em obediência a cujas diretrizes tout court, paradoxalmente, nunca chegou a escrever –, podemos constatar que, com a passagem do tempo, a sua menos pretensiosa e engajada obra ‘proverbial’ lhe permite assumir, de maneira distintiva, que a imagem especular permanece só como uma imagem. Em consequência, a pretensão teatral machadiana declarada em 1859, visando ‘reproduzir a sociedade no espelho fotográfico da forma dramática’ e contra a viellerie teatral que não cedia nada à l’air du temps, mudou para uma especular e datada miragem, para uma discutida magia teatral, entre os desiguais vetores do conservadorismo ético e da evolução estética, entre a impositiva realidade do seu mundo interior e o irreal desejo da sua vida exterior, de, apesar de tudo, estampar determinados e marcantes aspetos sociais contemporâneos.

A modo de conclusão – ou, antes, incitation, à maneira proustiana –, já que estamos plenamente cientes de que estes introdutórios comentários ancilares – que, a despeito de estarem parcialmente dirigidos contra o consensual, esperamos não motivem às turbas lapidadoras – não podem substituir o lido e o representado, ou dito em ‘provérbio’ demostrado que, pelo menos, os textos do literariamente divino Machado de Assis, serão ‘sólidos só lidos’ e, muito em especial, representados, apenas resta – à maneira de Brás Cubas – “não escorregar para o enfático” e convidá-los à leitura – e, se possível, a assistir à ideal representação – das cinco mostras que se editan neste livro de uma muito interessante escrita teatral que, embora não concebida só para ser lida, também se pode e deve ler.

Enfim, gostaríamos de concluir afirmando, de uma maneira um algo concetista, que se, para Theodor W. Adorno, a arte é magia liberada da mentira de ser verdade e, na medida em que designa uma ausência, é inerente ao teatro e a qualquer palavra, como manifestou Roberto Calasso, achamos que as cinco comédias machadianas selecionadas, sendo verdadeiras mentiras, podem contribuir para que recuperemos ausências do passado como autêntico e atualizado futuro.

***

Capa completa Machado de Assis

***

[De «Duas palavras», texto prefacial ao livro do professor, escritor e membro da Academia Brasileira de Letras de Marco Lucchesi]

Não são poucos os méritos do presente volume que se volta para um Machado de Assis pouco frequentado. Não me refiro apenas ao recorte definido das cinco peças, mas à qualidade intelectual de dois raros leitores, Carlos Pereiro e Alva Teixeiro, feridos ambos pela palavra, autênticos lletraferits, e sem previsão de alta, graças a Deus!

Oferecem-nos um prefácio que em si mesmo revigora a espessura do ensaio como gênero: a cena e os bastidores da escrita, fora dos maquinismos tradicionais, ensaio de intensidade ou, em outras palavras, um ensaio que literalmente ensaia, e segue do centro para a margem e da margem ao centro, de forma lúcida e lúdica.

O resultado das qualidades apontadas surge aqui por inteiro, na leitura autônoma, sensível, criativa, que não procura satelitizar o teatro de Machado como um estranho meteorito de sua prosa, eclipsado pelo viés intempestivo, de quem pensa a inteligibilidade do processo criativo de Machado a partir de sua presumida enteléquia, como se a obra teatral fosse apenas causa eficiente, mero devir, etapa imatura, no compasso de sua floração ulterior.

Alva e Carlos deixam de lado esse pálido darwinismo da crítica machadiana, que vai perdendo força no Brasil, e mergulham na diferença específica, na sintonia fina das peças, isolando uma paisagem para alcançá-la, não como coisa em si, porque abertos aos ventos da história, mas ao longo das malhas de uma dramaturgia, dentro das coordenadas do espaço-tempo que as engendrou.

O ensaio introdutório da presente edição responde por esse caráter inovador, com autonomia de voo suficiente para criar ruídos benfazejos para as cinco peças de Machado, como quem usa a grande angular da cultura, em sobrevoo, para capturar a imagem forte com as lentes em zoom, que é o que se espera de um sólido roteiro.

Este livro encerra também uma sociologia oportuna a partir das peças machadianas que elucidam não poucos dilemas que hoje assombram o Rio e o Brasil, pressentidas pelas antenas sensíveis de nosso autor. Porque Machado viu mais longe e nos alcança, contemporâneo de um futuro sem aviso prévio.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *