Mãe, primeiro trabalho musical em solitário de Paulo Silva

Mãe, primeiro trabalho musical em solitário de Paulo Silva

0 comentários 🕔10:30, 30.Mar 2017

NOTA DA PALAVRA COMUM: agradecemos ao músico brasileiro, residente na Galiza, Paulo Silva, esta reflexão sobre a sua primeira obra musical em solitário, Mãe, que nos pareceu bem interessante!

No fim do artigo, continuando com uma linha de trabalho da Palavra Comum, publicamos um poema-diálogo com a música de Paulo, feito por Ramiro Torres.

***

Minha carreira musical este ano completa 20 anos. Desde 1997 tenho tocado e sigo tocando em maravilhosos palcos e lugares de grande parte o mundo acompanhando a grandes músicos e artistas que admiro profundamente de diversos estilos musicais, desde o jazz, bossa nova, rock, blues, funk, cantautores, world music, músicas tradicionais, música experimental… Realmente para mim não há barreiras, desde que a qualidade da música seja boa e a qualidade humana dos músicos seja igual de boa… Aí estaremos, compartindo a magia dos sons e fazendo o público sonhar, entrando com nós nessa hipnose de Morfeu que nos emociona e nos leva a outra dimensão e parece dar mais sentido a nossas vidas neste mundo lindo e maravilhoso, mas por vezes feito de loucuras, incertezas e medos.

Tive a oportunidade de estudar música de maneira acadêmica, mas paralelamente sempre toquei e aprendi nos palcos, tanto quanto no estudo formal.

Em Salvador da Bahia, onde eu me criei, estudei percussão clássica na Universidade Federal da Bahia, e tive também a oportunidade de aprender e desenvolver muitos estilos de música que hoje em dia fazem parte da minha formação.

Por outro lado, há seis anos que embarquei nesse mundo maravilhoso que é o Jazz. Tive a grande sorte de que me acompanhassem nessa jornada dois grandes amigos e músicos que admiro muito: Valentín Caamaño e Alberte Rodríguez, ambos de grande experiência musical na cena galega.

Nossos laços amistosos e musicais jazzísticos começaram quando fomos os três a classes de combo musical com o grande músico de jazz galego Paco Charlín, no Seminário Permanente de Jazz de Pontevedra. Aí estivemos três maravilhosos anos, aprendendo juntos as técnicas e repertório de jazz clássico e algo do contemporâneo e fomos assimilando tudo que pudemos, assim como inclusive alguns temas que fazem parte deste disco, que é não só o debut do trio como meu primeiro trabalho discográfico solo.

No disco se encontram 8 temas. Quatro temas de composições nossas e quatro temas do repertorio standard norte americano de jazz clássico, entre eles Duke Ellington, Johhny B. Green, Hank Mobley e Dizzy Gillespie.

ObviamenteMãe Paulo Silva Trio um trabalho bem feito necessita colaborações especiais de uma série talentos reunidos! O disco foi gravado com muito carinho e bonita amizade que temos os três e quis contar com o Estudio Bungalow de um grande músico que admiro que é o Martin Esturao (Mad Martin Trio), e contando também com os talentos de Chuco JR López (assistente de gravação) e Gilbert Eiche do Global Sound Studio (masterização). E pela parte gráfica temos e Rocío Alén com o lindo trabalho de maquetação do disco e as grandes fotos feitas por Iara Silva.

Fico muito feliz de poder ter contado com todas estas pessoas especiais, num momento muito especial para mim, aquele que eu começo a dar os primeiros passos de uma carreira só, que não me impede para nada de seguir desfrutando de colaborar com grandíssimos e talentosos músicos e artistas, com os que, afortunadamente, tenho o prazer de compartir linda música e experiências pessoais que me fazem melhor ser humano cada vez mais….

***

O jazz, para mim, são muitas coisas… É controle e ao mesmo tempo liberdade… É um equilíbrio entre o controle da técnica e a expressão do sentimento e da liberdade rítmica, melódica e harmônica…

É também uma linguagem aberta que permite a fusão com qualquer outro estilo…

É mais uma vez a Mãe África numa demonstração de amor e fraternidade “casando” o seu Ritmo ainda que por causas não tão amorosas (um dos frutos da escravidão negra), com a Harmonia Européia, testemunhando outra vez a beleza da mistura de raças e culturas!

Algumas das referências de jazz para mim são nomes como: Hermeto Pascual, Tom Jobim, Zimbo Trio, Egberto Gismonti, Louis Armstrong, Miles Davis, John Coltrane, Thelonious Monk, Duke Ellington, Ella Fitzgerald, John Scofield e aquí na Galícia sem dúvida Paco Charlín, Abe Rábade e L.A.R. Legido. Entre muitos outros, claro, a lista é quase infinita…

O Jazz na Galicia está cada vez mais forte e mais aberto a outras fusões com outros estilos como o Rock, a música tradicional e música experimental… A Galícia é uma terra maravilhosa, muito rica em muitos aspectos, e no que tange à música, transborda talento e vontade de criar e movimentar a cultura positivamente, lutando bravamente contra moldes pre-estabelecidos que muitas vezes não dão espaços a coisas tão enriquecedoras que alimentam nossas almas…

Paulo Silva, Março de 2017.

***

POEMA-DIÁLOGO

As horas são líquidas
e branco o incêndio
da música na noite,
enquanto cresce
o oceano imerso na
desnudez do mundo,
alimentando os sons
que descansam sobre
as pálpebras da luz:
gravitam entre nós
as ilhas libertadas e
seus braços incansáveis
a percutir nas vértebras
de todo o sensível,
como aves a sonhar
o céu inextinguível
dentro de suas asas.

Ramiro Torres, Março de 2017.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *