<em>Tem que ser navegando a longa noite</em>, texto de Maria João Cantinho na entrega do Prémio Glória de Sant’Anna 2017

Tem que ser navegando a longa noite, texto de Maria João Cantinho na entrega do Prémio Glória de Sant’Anna 2017

0 comentários 🕔09:00, 19.Jun 2017

Quem é o terceiro que sempre caminha a teu lado?
Quando conto, só estamos tu e eu
Mas quando olho pela estrada branca acima
Há sempre alguém a caminhar junto de ti
Envolto em manto castanho, e embuçado
Não sei se será homem ou mulher
– Mas quem é esse do outro lado de ti?

 T. S. Eliot, A Terra Devastada

Quero, desde já, agradecer. Em primeiro lugar, ao júri e à família da poeta Glória de Sant’Anna, patrona deste prémio, a todas as entidades envolvidas e responsáveis pelo prémio, a Gisela Ramos Rosa (coordenadora da colecção de Poesia Clepsydra) e à minha editora Natacha Serrão, e  gostaria de agradecer, também, à minha família e aos meus amigos tão entusiastas, que me seguiram até aqui. Desejo felicitar os meus concorrentes, em particular a poeta Maria Azenha e João Rasteiro, cuja poesia conheço e admiro. Fico ainda feliz por me encontrar aqui com o anterior premiado, Samuel Pimenta, este jovem tão talentoso.

Retorno ao texto que Paul Celan, esse poeta maior da língua alemã e que foi uma vítima trágica, escreveu um dia, precisamente ao receber um prémio na cidade de Bremen, que, na língua alemã, “pensar” (denken) e “agradecer” (danken) eram palavras com a mesma raíz. Seguindo-lhe o raciocínio, irá mais longe dizendo ainda que lembrar (gedenken) e rememorar (que vem da palavra Eingedenken) pertencem todas à mesma constelação que ilumina a nossa noite. E é precisamente do que venho aqui falar, do que significa o poético, a poesia e a escrita, para mim.

Nunca estamos nem estaremos sós. A não ser, talvez, na hora do abandono final. Porém, quando pensamos, quando escrevemos, somos habitados pela presença. Não só a presença física dos que nos acompanham, mas a imponderável presença do invisível: das vozes que ouvimos, dos poetas e escritores que lemos, de tudo aquilo que nos habita e se demora em nós, mesmo que não nos apercebamos. Estar a sós diante da página em branco nunca é uma verdadeira solidão, para combater um certo lugar comum que persiste. É sobretudo um acto de escuta e de abandono, em que procuramos esse rio interior ou a voz que nos persegue, aquela que procura a sua fenda, a fissura, por onde entrar e fazer-se corpo, linguagem, um modo de se dizer e de chegar à fala, atravessando os tempos. Esquecemos hoje, imersos que estamos numa actualidade esquizofrénica, esse imperativo a que chamaria ético: o da rememoração.

Porque se trata de obedecer a uma espécie de apelo, o de trabalhar a linguagem, o de exercer sobre ela esse efeito de lhe impor um molde e de lhe dar uma forma, é a escrita uma das mais exigentes tarefas que o homem pode tomar para si, evitando-lhe as armadilhas do cliché, da sedução gratuita, na qual a poesia cai com demasiada facilidade, cedendo aos jogos fáceis de musicalidade. Não que ela não seja musical, o que seria renegar-lhe a origem, lembremo-nos de Homero e dos bardos, mas essa musicalidade é-lhe inerente, íntima, quase diria sagrada, uma respiração. Mas, tal como numa obra de arte, o ornamento excessivo não faz senão degradar a poesia, desviando-nos da sua força e da sua «verdade», desse trabalho de «mãos verdadeiras», de que fala Celan, quando diz que «só mãos verdadeiras escrevem poemas verdadeiros».

E eu acredito na poesia e no seu poder verdadeiramente único e também creio que tudo o que vemos é poesia, que o mais pequeno animal, a mais pequena flor ou corpúsculo representam um pensamento e a pura intuição do instante. Diria mesmo que a poesia faz revelar essa verdade de que nos fala Celan. Podemos ir buscar o sentido poético à magia da linguagem, nesse sentido de que Pier Paolo Pasolini falava, que nos permite agir sobre o mundo mediante uma deslocação de sentido ou de ponto de vista, por vezes mínima. Cabe-lhe a ela, portanto, estabelecer esse desvio ou essa nova construção da realidade que assenta na desconstrução dos códigos de comunicação existentes e que permitem abrir fissuras, rasgar aberturas no espaço, a partir dessa alteração. Mais do que linguagem, a poesia é antes um «outro olhar», religando o que se encontra separado, reencontrando esse sentido que não havia. Uma convocação do sagrado ou disso para o qual não há nome, mas que nos permite nomear, reconhecer cada gesto, cada planta, cada animal. Algo que não está para além, mas que existe no íntimo de cada coisa e que a Linguagem faz despertar. Neste sentido, então, um outro modo de olhar o ínfimo e devolver-lhe o fulgor ou o sopro.

Aproveitando a minha presença pública aqui, friso esse sentido de verdade que a poesia tem, partilhando eu aqui a posição do meu querido amigo Samuel Pimenta. Verdade, também, enquanto responsabilidade ética, tomando (e reclamando) isso como tarefa, seja ela a de rememoração, a que naturalmente sempre levaremos a cabo pelas presenças que nos habitam, seja a de denúncia, de advertência. E uma parte do meu livro é, precisamente, dedicada ao que temos de lembrar e de denunciar, ou não fora a escrita uma forma de combater a barbárie.

Vivemos hoje estranhos tempos, neste mundo de banalização de imagens e de violência, tempos atravessados de sombrios espectros, que não terão nenhum espelho para rever-se se a tal não os obrigarmos. Que não serão visíveis nem perceptíveis, se aqueles que os olham não os denunciarem. Vivemos hoje estranhos tempos, em que as ideologias estão moribundas e os valores humanos estão reféns de uma ditadura dos mercados, de uma lei que ignora o indivíduo e a sua liberdade. Olhando à nossa volta o que vemos? O retrocesso das conquistas da liberdade, o crescimento do terror e do medo. Vivemos acanhados nesse vago medo do que virá. Assombrados por um futuro que se desenha mais apocalíptico que luminoso. E este é o mundo que deixaremos aos nossos filhos e aos que nos sucederão, se nada fizermos para o impedir. Como o fizeram os nossos antepassados, abrindo-nos o caminho, lutando pelos nossos direitos individuais, escavando, passo a passo, a largura do nosso espaço público e democrático. Imagino que todas as épocas sejam de luta, de uma forma ou de outra. Porém, o caminho vai-se alargando, à medida que os aventureiros o trilham, para tornar mais fácil a passagem aos que virão. Não é isso, todavia, que observamos agora, como se as ervas daninhas que pareciam ter sido queimadas e destruídas tivessem voltado. Por isso é preciso voltar a abrir o caminho e lutar contra o que nos destrói, enquanto humanos. Voltar a conquistar a liberdade que ameaça perder-se, e falo aqui de coisas concretas como a defesa da democracia, num mundo em que cada vez mais a vemos ameaçada. Acreditámos que era possível construir uma comunidade mais justa e equitativa, destruindo os muros que nos separavam uns dos outros, acreditámos (e continuaremos a acreditar) que o amor é mais forte que o ódio, que o diálogo exprime a superioridade civilizacional e que tínhamos aprendido com as devastadoras guerras do século XX.

Neste mundo, pergunto-me e pergunto-vos, quem acredita ainda no poder redentor da palavra, da poesia, da arte? Estarão os poetas, os escritores e os artistas em risco de extinção, como as espécies animais? Não deveriam então ser preservados como o que de mais precioso possui a humanidade? Pois só eles têm ainda essa possibilidade de salvar uma tradição que ameaça soçobrar no esquecimento dos dias que correm, imersos na procura desesperada da técnica, na pulsão consumista e desenfreada, numa sociedade tornada zombie pela passagem alucinada e voraz do tempo vazio. Por isso, olhar de novo o ínfimo ou, o que é o mesmo, devolver-lhe o olhar, escutar o poder da palavra como a possibilidade da nossa redenção, eis o que a poesia nos traz, que devemos agradecer infinitamente: esse mistério sagrado que nos toca. E basta que uma única pessoa seja tocada, que ela se emocione, que o poder da poesia desça sobre ela, apenas isso valerá a pena, pois é a linguagem que se salva, como a buganvília que liberta, no momento exacto em que fenece, o odor inigualável que permanecerá na nossa memória. Para sempre.

* O verso inicial é de Glória de Sant’Anna, Gritoacanto

Maria João Cantinho

NOTA: desde a Palavra Comum agradecemos à autora e ao Samuel Pimenta o terem contado com este espaço para publicar este texto.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *