As ilhas que nos habitam (e uma quase crónica da Ilha de São Simão)

As ilhas que nos habitam (e uma quase crónica da Ilha de São Simão)

0 comentários 🕔11:20, 20.Jun 2017

«A literatura tem que conquistar o coração»

Agustín Fernández Paz

A edição dos Prémios Xerais 2017 realizou-se no passado dia 3 de Junho na poética Ilha de São Simão (Ria de Vigo), ilha que o trovador Meendinho se inspirou para escrever a sua célebre cantiga de amigo, uma das mais notáveis de toda a poesia lírica galego-portuguesa. Nessa tarde/noite de Sábado celebrou-se a entrega dos prémios aos vencedores do Merlim de Literatura Infantil (María Canosa), Jules Verne de Literatura Juvenil (Manuel Lourenzo González) e o Xerais de Romance (Santiago Lopo). Ilha Sao Simao por Tiago Alves 2Mas esta gala da Editora Xerais, que tive o prazer de assistir a convite do querido amigo, Alfredo Ferreiro, despertou-me sensações várias, um recuperar essencial do habitar humano, que aqui tentarei deixar exprimido.

Já no fim, nesse regresso a Cessantes no pequeno “São Simão”, com a noite já alta e um longo afago da Ria de Vigo envolvendo-nos como um manto de novo solstício, confirmava que o regresso era também em nós, a essas ilhas que nos habitam e que estruturam essa pangeia de inquietações, matriz insatisfeita da nossa condição. A ilha, que ficara ao longe aureolada pela sua intangibilidade telúrica, velando misteriosas histórias de eternos navegantes de longas rotas do sonho, e nós, nessa condição de habitantes precários, sedentos por esse reencontro com as solidões terrenas, perdidos há muito, num mundo hipercomunicativo de desertos humanos: a vida actual. Ilha Sao Simao por Tiago Alves 1Por que talvez seja preciso entender o nosso tempo e a urgência que nele ocupa para perceber também a necessidade de se celebrar a palavra, numa ilha, nas ilhas. Talvez seja preciso saber que vivemos revestidos por um vazio absoluto da alma, sob o limiar de uma falência, uma espécie de massa cega que nos atropelou e desistiu de nós mesmos; que como espectadores, educadamente sentados e calados, nos defraudamos do entretenimento e da acção com que contávamos ludibriar os dias. Sim, é só olhando de forma medular para este nosso tempo que podemos desvelar as urgências que em nós se fazem. Por isso mesmo cumpre enaltecer a sensibilidade dos sensíveis, neste caso os responsáveis pela Editora Xerais, de querer habitar as ilhas com essa urgência como se ainda fosse possível habitar o mundo, a palavra, essa palavra há muito sem redenção. Ilha Sao Simao por Tiago Alves 3“Cheios de méritos, porém poeticamente, / habita o homem nesta terra”*. Por que é para a vida que é preciso partir: esse coração que Agustín Fernández Paz quis conquistar para a literatura, essa invenção de um povo, de uma língua, de uma literatura que surge aos solos sob essa falência, a uma terra remexida pelos constantes abalos tectónicos, inexorável, puxando pelos seus galões de fio de prumo, de azimute de todos os anseios; com a sua lira, a sua resistência poética, elevando mais alto os nobres valores da humanidade. E então paramos, no tempo frenético e sem respiração, já no fim de todos os inícios. De novo com os pés firmes no estertor da realidade aumentada. A ilha gravada na retina, reverberando nos sentidos essa assombrosa maquinaria da beleza, esse farol de terrena clarificação, da fraternidade universal. Ilha Sao Simao por Tiago Alves 4A palavra-escritor celebrados sob uma esperança: o ensejo da paixão que renova os mundos.

Uma palavra, como se não quiséssemos forçar já o fim, para o discurso emotivo sobre o mestre Agustín Fernández Paz, que nos deixou em Junho de 2016, um dos maiores inventores de universos da literatura galega. As palavras do cientista Xurxo Marinho, recuperando o sentido poético da ciência, e os discursos dos vencedores, todos sem excepção referindo-se à importância vital de uma cultura que resista aos imperativos de um tempo; e a essa urgência, que é também a língua, a língua galega.

Tiago Alves Costa, no limiar de todos os verões possíveis

*

*Nota: verso de Friedrich Hölderlin.

Sobre o autor / a autora

Tiago Alves Costa

Tiago Alves Costa

Tiago Alves Costa (a idade dos pássaros). Vila Nova de Famalicão. Licenciou-se em Publicidade com uma pós-graduação em Criatividade e Inovação pela Tompkins Cortland Community College (E.U.A). Autor dos livros w.c constrangido e Mecanismo de Emergência. Alguns dos seus poemas foram antologizados e traduzidos para castelhano e inglês. Colabora com as revistas literárias Asymptote, Palavra Comum e [sem] Equívocos. É responsável pelas relações com a Galiza no Festival Raias Poéticas (Afluentes Ibero-Afro-Americanos de Arte e Pensamento). É membro da Associação Galega da Língua (AGAL). E membro da Associação de Escritoras e Escritores em Língua Galega (AELG). Vive na cidade da Corunha. tweet @MartinhoDanta

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *