“Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

“Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

0 comentários 🕔15:36, 02.Ago 2017

 

 

 

 

VERSO LIVRE

Uma vez sonhei alguém a me fazer rir só de olhar para mim.
Um dia imaginei que andava pela rua e inventava um verso.
Um dia inventei um verso e sonhei que tinha a quem dar-lho.

Ele continuou andando. Vivendo. Comendo.
Mas o verso era mais impaciente a cada noite.
Nervoso.

Dando-me pontapés na barriga.
Dando-me mais e mais palavras.
Como se estivesse esperando por algo que nunca chegava,
Ele chutava cheio de raiva.

Agora o verso está a nadar na minha barriga.
De novo está nervoso.
Ele quer ir a algum lugar que nem sequer conhece.
Mas ele quer ir lá.
Ele quer ir embora.

Ele quer que lhe façam dano.
Ele quer que o façam chorar.
Ele quer rir.
Ele quer virar louco.
Um verso quer virar louco!

E ele quer ser mais verso do que ninguém.

Tem medo. Tem dúvidas…
E se eu não tiver tanto ritmo como os outros?
Milhares de perguntas sem resposta.

Então, como agora,
O que importava para o verso
era ele achar sua estrofe.
Ele queria encontrar sua estrofe, para deixar de ser um verso solto.

Assim, ele veio ao mundo.
Só.
A pesquisar, a enlouquecer, para ser ele.
Só ele.
E ele percebeu que só poderia ser ele
em liberdade.
Que era um verso livre.

Mas ele não sabia o que era isso de ser verso,
E ainda menos livre.

Pobre verso livre.

Por isso, algumas noites que
Saio para passear,
Acho-o andando sozinho.

Olhando em volta sem ver.
Ele roça-me tranquilo,
Como se ele não percebesse
Que eu estou morrendo de vontade de pegá-lo.

E quando eu o procuro,
Não aparece.
E quando não quero,

Ele vem.

Só, ele vem só.

Fugaz, misterioso.

Só vem livre.

Pobre verso,
Pobre verso livre.

[Tradução para português: Alfredo Ferreiro]

*

Texto original em castelhano:

VERSO LIBRE

Una vez soñé que alguien me hacía reír con solo mirarme.
Un día imaginé que caminaba por la calle e inventaba un verso.
Un día inventé un verso y soñé que tenía a quién dárselo.

Seguía caminando. Viviendo. Comiendo.
Pero el verso estaba más impaciente cada noche.
Nervioso.

Dándome patadas en el vientre.
Dándome más y más palabras.
Como esperando algo que nunca llegaba,
Pataleaba lleno de rabia.

Ahora el verso está nadando en mi barriga.
De nuevo está nervioso.
Quiere irse a algún lugar que ni siquiera conoce.
Pero quiere ir allí.
Quiere irse.

Quiere que le hagan daño.
Quiere que le hagan llorar.
Quiere reír.
Quiere volverse loco.
¡Un verso quiere volverse loco!

Y quiere ser más verso que nadie.

Tiene miedo. Tiene dudas….
¿Y si no tengo tanto ritmo como los demás?
Mil preguntas sin respuesta.

Antes, como ahora,
Lo que le importaba al verso
Era encontrar su estrofa.
Quería encontrar su estrofa, para dejar de ser un verso suelto.

Así que salió al mundo.
Solo.
A buscar, a enloquecer, a ser él.
Solo él.
Y se dio cuenta que solo podía ser él
En libertad.
Que era un verso libre.

Pero él no sabía que era eso de ser verso,
Y menos aún, libre.

Pobre verso libre.

Por eso algunas noches que
Salgo a pasear,
Lo encuentro caminando solitario.

Mirando a todos lados sin ver.
Me roza tranquilo,
Como si no se enterase
De que muero por cogerlo.

Y cuando lo busco,
No aparece.
Y cuando no quiero,

Él viene.

Solo, viene solo.

Fugaz, misterioso.

Solo viene libre.

Pobre verso,
Pobre verso libre.

*

Nota: Mais informação sobre a autora no seu blogue Niña tóxica, mujer volcán, e no seu poemário em áudio Tocar la lluvia.

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *