“Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

“Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

0 comentários 🕔14:31, 23.Ago 2017

 

 

 

 

AMARQUIA

Desperdiçar meu tempo contigo
Abraçar-me ao teu mar na tempestade
Ou na calma.
Mergulhar até atravessar as areias movediças.
Investigar os campos ou os desertos
Os céus ou os infernos.
Tornar-me etérea na Amarquia dos nossos beijos.
Tua língua batendo nos meus sentidos:
A dor mais bela já criada.

Quinhentos fogos de néon.
E mil e uma palavras cheias de tremores

Atravessar a fogueira
Sem ter medo.
Medo

Saltar a linha que separa a terra do mar.
Cair na sua imensidão:
Tempestade após a calma
E chorar
E morrer
E nascer.
Mudar a pele,
E cortar-me o cabelo.
E que tu ainda continues aí
Lembrando-me quem sou
Quem sou: desejo ser
Transparente
Reflexão da tua fúria vermelha

[Tradução para português: Alfredo Ferreiro]

*

Texto original em castelhano:

AMARQUIA

Perder mi tiempo contigo
Abrazarme a tu mar en tempestad
O en calma.
Bucear hasta cruzar las arenas movedizas.
Investigar los campos o los desiertos
los cielos o los infiernos.
Volverme etérea en la Amarquía de nuestros besos.
Tu lengua golpeando mis sentidos:
El dolor más bello jamás creado.

Quinientos fuegos de neón.
Y mil y una palabras llenas de temblor

Atravesar la hoguera
Sin tener miedo.
miedo

Saltar la línea que separa la tierra del mar.
Caerme en tu inmensidad:
tempestad después la calma
Y llorar
Y morir
Y nacer.
Mudar la piel,
Y cortarme el pelo.
Y que sigas ahí
recordarme quien soy
Quien soy: deseo ser
Transparente
Reflejo de tu furia roja

*

Nota: Mais informação sobre a autora no seu blogue Niña tóxica, mujer volcán, e no seu poemário em áudio Tocar la lluvia.

Sobre o autor / a autora

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *