A noite de Irene (4/5)

A noite de Irene (4/5)

0 comentários 🕔12:08, 04.Out 2017

IV

Hibernação

Irene estava preparada para passar á fase de hibernação induzida. Era uma fase breve, mas perigosa, pois significava adentrar-se na morte por um período curto, apenas uns dias, com o fim de proceder, por um lado, á cópia de toda a memória contida no cérebro e nas diferentes células e, por outro lado, proceder ás modificações génicas necessárias para a nova vida.

Eva acompanhava-a com condescendência e amabilidade e Irene, em nenhum momento parecia incomodada pela situação. Obedecia às diferentes instruções, consciente de que o lugar no que se encontrava era permanentemente controlado por sistemas androides e interativos. Mas não parecia causar-lhe apreensão. O edifício semienterrado com cúpulas brancas, revestido de sensores de grafeno era como uma pele sensível desde a que transmitir informação á central, mas não a impressionavam. Respirava com tranquilidade e olhava com fascinação os diversos materiais. Parecia cantarolar uma velha canção ou um poema. Passava a sua mão pelos materiais, agarimando-os. Eva não reagia a estes estados antigos da velha humanidade. Sabia que tinha que ser respeitosa com essas dimensões do que chamavam “poesia”, um escapismo emocional á falha de compreensão. Era simplesmente uma questão de programação, e devia ser tolerante ao respeito.

Numa certa altura, enquanto caminhava ao lado de Eva, Irene parou-se e convidou a Eva a sentar-se também. Sentia que podiam ser amigas. Irene não lutava contra o sistema, olhava com uma profunda compaixão tudo o que a rodeava, mesmo não parecia que as coisas inanimadas fossem simples objetos. Havia um extremo cuidado no seu passo, como se todas as cousas merecessem um respeito, uma consideração especial. E dizia-lhe a Eva com suavidade:

- Acorda, minha filha, lembra quem és. Recorda.

Eva estava silenciosa. Tinha sido perfeitamente desenhada para não perturbar-se emocionalmente. A instrução de observar e não atuar precipitadamente estava profundamente arreigada nela.

Irene apanhou a sua mão e agarimou-a com suavidade. Olhou-a diretamente nos seus olhos verdes, fundos. Eva estava como inerte, era capaz de manter a sua compostura com eficiência, mas havia uma frialdade, uma incapacidade de conectar. Mas também não havia sentimentos negativos. Era simplesmente um estado de anestesia emocional.

Irene cantava uma velha canção de berço. Movia ritmicamente o seu velho corpo. Pediu a Eva para que se deixasse pentear o cabelo, que deixasse que as suas mãos acariciassem a sua longa melena negra. Cantarolava enquanto lhe fazia uma tranças.

Lua pendurada dum poço
Princesinha das flores de outono
Dá-me o bico de um moço
Abraça-me no meu abandono.

Mas tinha chegado o momento em que devia preparar-se para a hibernação. Vários androides vieram como assistentes. Irene cantava, ensimesmada, a antiga canção de embalar, como em bisbilhotice. Eva foi-se separando, mas Irene apanhou-a as mãos. Com grande ternura fitou-a nos olhos, acariciou o seu rosto por última vez. Louvou as suas formosas tranças. Sorriu amorosamente para ela.

Num instante fugidio Eva hesitou, ficou confusa. Algo pareceu quebrar a sua perfeição. Não sabia como reagir perante esta situação, mas era preciso continuar.

Irene foi conduzida primeiro cara um estado de sedação. Tranquilamente foi fechando os olhos, apenas se mexia. Começou a sentir as pernas frias, depois o ventre e o corpo. Fechou os olhos lentamente. O seu rosto era sereno, sem rugas. Parecia sorrir.

Irene acabava de morrer.

Sobre o autor / a autora

José António Lozano

José António Lozano

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *