A noite de Irene (5/5)

A noite de Irene (5/5)

0 comentários 🕔11:00, 11.Out 2017

V

Noite

Nos dias seguintes levou-se adiante o processo rápido da hibernação. Era necessário despertá-la num tempo não superior a uma semana, mas isto nunca chegou a suceder. Contrariamente a muitos outros casos, a reanimação não foi possível.
Eva sofreu uma estranha comoção. O seu projeto tinha fracassado. A sua eficácia aparecia agora como um paradoxo. Não conseguia esquecer as palavras de Irene: não sabes quem és. Recorda. Para que fazes o que fazes?
Eva experimentou por primeira vez a ferida da sua identidade.
Caminhava pela praia sentindo a brisa no seu corpo nu, era uma noite alumiada e cálida, cheia de fosforescências nas águas. A lua e os ouriços tocando o seu pé faziam-na sentir cócegas. E sorria. Respirava e sentia a vida dos elementos: o mar, o sal, o vento sobre o seu corpo, o fogo profundo da lua vermelha. Deitou-se sobre a areia deixando que os ouriços a rodeassem, que a bicassem, mesmo que a agarimassem com as suas puas como se tocassem uma viola. E havia música, não a quietude do violino enquanto a nota dura, mas o ardor do corpo sobre areia viva.
Eva acabava de despertar de uma longa noite. O pequeno ouriço bebia das mãos da rapariga na cabana, sobre um prato, um pedaço de gelo.

Eis o ouriço, a rapariga e o cuidado
o prato, a água, o gelo derretido
um tremor de espinhos neste lado:
o amor que paira e vai despido.

Não há amigo pequeno neste quadro
os espinhos fazem cócegas de outono
o amigo é grande como um velho adro
não cabe aqui no prato, não tem dono.

Ouro de outubro, ouro cobriço: ouriço!
Digo o teu nome de veludo e seda
que grande és, amigo: ao teu serviço!
E a nossa rapariga silenciosa e queda.

E a nossa rapariga queda e silenciosa
pisca um olho e guarda o seu segredo
o gelo, a água, o derreter da rosa
que ganha o amor e vence ao medo!

Algures existe uma praia de ouriços cacho, também conhecida entre os aldeãos como A noite de Irene ou A noite da Paz.
Um nome e uma luz antiga para além de todos os segredos.

Sobre o autor / a autora

José António Lozano

José António Lozano

(Galiza)

Sem comentários

Ainda não há comentários

Ninguém deixou um comentário para este post ainda!

ESCREVA UM COMENTÁRIO SOBRE ESTE POST

Escrever um comentário 

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *