Mensagens de Xavier Frias Conde

🔍Leia o artigo completo <em>Todos eram filhos da mesma mãe</em>

Todos eram filhos da mesma mãe

0 comentários 🕔17:00, 05.Nov 2014

Já havia dous anos que morávamos naquela casa. Chegamos a ela quando casámos, cheios de alegria e de ilusões, com as energias próprias da mocidade que nos permitiriam aturar aqueles vizinhos tão particulares. Eram uma tribo duns oito ou dez, todos filhos da mesma mãe. Só três deles se podiam considerar normais, enquanto que o resto estavam todos perdidos no mundo das drogas. Quando nos cruzávamos com qualquer um deles pelas escadas, percebia-se perfeitamente o

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo <em>Que cante a Maruška</em>

Que cante a Maruška

0 comentários 🕔20:00, 30.Jul 2014

Arredor daquele microfone criara-se umha lenda maldita. Nos últimos tempos, qualquer um que falasse por ele ouviria uma reproduçom diferente das suas palavras. Parecia uma magia cruel que ria de quem utilizar aquele micro para cantar, contar ou simplesmente dizer “a provar, a provar”. Tudo começara com Letícia Star, jovem promessa da cançom que foi provar a sua voz perante aquele microfone, em frente de um público que era curioso por verificar que a voz de que falavam

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo <em>Quando os mortos mexericam</em>, por Xavier Frias Conde

Quando os mortos mexericam, por Xavier Frias Conde

0 comentários 🕔12:30, 11.Jun 2014

Quando o Miguel chegou àquela escola pela primeira vez, sentiu medo. Bem logo sentiu como os olhos de todos os rapazes da turma se espetavam na sua nuca ou nos seus próprios olhos, a depender donde estivessem sentados. —Este é o vosso novo companheiro, chama-se Miguel e vem de muito longe —apresentou o professor, quem ainda tinha aquele antigo costume de apresentar os novos estudantes. O Miguel, porém, não gostou de ser apresentado porque aquilo significou que

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo <em>A Honra do Corpo</em>, por Xavier Frias Conde

A Honra do Corpo, por Xavier Frias Conde

0 comentários 🕔11:30, 07.Mai 2014

Aquela manhã o tenente Freixo levantou-se com enxaqueca. As dores de cabeça à hora de levantar-se eram algo que lhe acontecia com demasiada frequência. Era justo naqueles momentos que deixaria definitivamente a bebida, mas tão logo como chegava ao quartel, todas as suas boas resoluções iam-se-lhe aos recantos mais escuros e esquecidos da sua vontade. E como não ia ser assim? O primeiro que fazia nada mais fichar no controle era achegar-se à sala dos

LEIA MAIS