Categoria "Poesia"

🔍Leia o artigo completo Entrevista ao escritor português André Domingues: “Não há literatura sem nudez”

Entrevista ao escritor português André Domingues: “Não há literatura sem nudez”

0 comentários 🕔09:00, 22.Set 2017

- Palavra Comum: Que é para ti a literatura? - André Domingues: A literatura, para mim, sempre foi um espaço de nudez; não absoluta, claro, mas inegociável. Não há literatura sem nudez. A nudez dos corpos, a nudez da vida, tantas vezes acalentada por uma tristeza lenta e delicada, mas também a nudez da alegria, a nudez dos mundos impensáveis, e a tremenda nudez do presente, do tempo em que vivemos, essa nudez terrível como Blake

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Visións

Visións

0 comentários 🕔11:00, 11.Set 2017

Tocar unha estrela coas mans, unha estrela de mar, faime sentir e pensar que toco entre as ondas o ceo, que o tacto esvaradío do peixe é frío e suave como o pálido hálito da lúa. * O río, verde e revoltoso ancián, garda intacto no seu ventre de limo o segredo do peixe... E no terso espello da superficie, o rostro feito anacos do que nel se mira. * O sol álzase, pálido marmelo, envolto en dourada resurrección. Renovado froito que alimenta enxames de rubias abellas. Derramado mel, venérote. Dende o ángulo en

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

“Amarquia”, por Rosalia Rodríguez

0 comentários 🕔14:31, 23.Ago 2017

        AMARQUIA Desperdiçar meu tempo contigo Abraçar-me ao teu mar na tempestade Ou na calma. Mergulhar até atravessar as areias movediças. Investigar os campos ou os desertos Os céus ou os infernos. Tornar-me etérea na Amarquia dos nossos beijos. Tua língua batendo nos meus sentidos: A dor mais bela já criada. Quinhentos fogos de néon. E mil e uma palavras cheias de tremores Atravessar a fogueira Sem ter medo. Medo Saltar a linha que separa a terra do mar. Cair na sua imensidão: Tempestade após a calma E chorar E morrer E nascer. Mudar a pele, E cortar-me

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo OM: Entrevista a Antón Lopo

OM: Entrevista a Antón Lopo

0 comentários 🕔12:10, 21.Ago 2017

1. O libro comeza cunha cita de Lao- Tse... que facer contra esa imposibilidade de atopar o Tao? Un dos principios do Tao é que o nome que pode ser dito non é o nome eterno. É unha idea básica que, dun xeito ou doutro, empapa mesmo o pensamento occidental. Agamben, por exemplo, defende que é imposible escribir poesía e iso, precisamente, fai necesario facelo. "Om" é un libro de mediados dos anos noventa do século

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

Entrevista à poeta portuguesa Marília Miranda Lopes: “entendo a Arte como processo avassalador constante que tende a provocar fendas para construir outra coisa”

0 comentários 🕔09:00, 14.Ago 2017

Marília Miranda Lopes nasceu no Porto, a 22 de Maio de 1969. Formou-se em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade da cidade onde nasceu. É professora prossionalizada de Língua Portuguesa do Ensino Secundário e formadora pelo Conselho Cientíco-Pedagógico de Formação Contínua nas áreas das Didácticas Especícas e das Ocinas de Escrita - Poesia e Teatro. Foi bolseira dos Serviços de Belas Artes da Fundação Calouste Gulbenkian, ao abrigo do programa "Dramaturgia

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

“Verso livre”, por Rosalía Rodríguez

0 comentários 🕔15:36, 02.Ago 2017

        VERSO LIVRE Uma vez sonhei alguém a me fazer rir só de olhar para mim. Um dia imaginei que andava pela rua e inventava um verso. Um dia inventei um verso e sonhei que tinha a quem dar-lho. Ele continuou andando. Vivendo. Comendo. Mas o verso era mais impaciente a cada noite. Nervoso. Dando-me pontapés na barriga. Dando-me mais e mais palavras. Como se estivesse esperando por algo que nunca chegava, Ele chutava cheio de raiva. Agora o verso está a nadar na minha barriga. De novo

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo «O teu corpo a oriente e a ocidente», de Pedro Casteleiro

«O teu corpo a oriente e a ocidente», de Pedro Casteleiro

0 comentários 🕔11:30, 28.Jul 2017

A vontade da Deusa, da Grande Mãe ou da Amada Eterna presidem o livro. Não se admirem, leitoras e leitores, se este livro semelha à vez moderno e antigo. Porque há cousas que não mudam embora nunca ofereçam a mesma figura, como factos diversos sob os quais subjazesse um único gesto divino. Falarmos em termos de espírito é, todavia, raro nestes tempos. Somos velhas vítimas do autoritarismo eclesiástico e não se torna fácil trazer para a

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo Amazona, escultura de Nando Pereiro e poema de Ramiro Torres

Amazona, escultura de Nando Pereiro e poema de Ramiro Torres

0 comentários 🕔10:30, 21.Jul 2017

AMAZONA Volta para o fulgor, irrompe a amazona desde a pureza da sua ilimitação, candente o mundo na entranha alta do poema onde sangram as formas e irrigam o visível com o seu fulgor estranho ao tempo, auscultando a vida na entranha absoluta que dança na luz e lança os seres até a sua plenitude.

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo «Corpo», por Diego Q. S.

«Corpo», por Diego Q. S.

0 comentários 🕔09:00, 19.Jul 2017

LEIA MAIS
🔍Leia o artigo completo “O artista não é um criador…”

“O artista não é um criador…”

0 comentários 🕔09:00, 27.Jun 2017

O artista não é um criador é antes um descobridor de essências. E nesta operação ele combate com a mesma técnica dos deuses: a explosão. A arte assusta demasiado como uma bola pequena de berlinde a rolar num espaço vasto. O artista não pode ser criador, para que fosse era necessário um inferno e um paraíso simultâneo sem qualquer espécie de divisão entre ambos. Nem eu compreendo bem esta metafísica. A criação: a dita e

LEIA MAIS